Nunca tinha feito tanto frio nesta cidade: -53ºC

CNN , Heather Chen
25 jan, 09:00
Mohe, China

As temperaturas na cidade mais setentrional da China caíram para -53°C - a mais baixa temperatura alguma vez registada, segundo os meteorologistas.

Localizada no nordeste da província Heilongjiang, Mohe, que faz fronteira com a Rússia, é amplamente conhecida como "Pólo Norte da China" e um dos poucos locais no país a ter um clima subártico.

A temperatura às 07:00 do dia 22 de janeiro, o primeiro dia do Ano Novo Chinês, atingiu -53°C, segundo o Gabinete Meteorológico de Heilongjiang, batendo o anterior recorde de -52,3°C em 1969.

A autoridade meteorológica chinesa previu grandes quedas de temperatura em várias partes do país e emitiu uma onda de frio azul na segunda-feira, ainda o assim o mais baixo de quatro níveis.

Na vizinha russa Yakutsk, considerada a cidade mais fria do mundo, as temperaturas baixaram para -62,7°C, a mais fria em mais de duas décadas.

Os invernos em Mohe são longos e começam no início de outubro, geralmente durando até maio. As temperaturas médias durante este período têm descido abaixo de zero, indicaram os especialistas.

Em 2018, um raro "nevoeiro gelado" - um fenómeno climático que ocorre apenas em climas extremamente frios quando as gotas de água no ar permanecem na forma líquida - levou as autoridades a emitir o primeiro aviso vermelho da cidade para o tempo frio.

Ainda não foram emitidos alertas em Mohe, mas os meteorologistas dizem que a onda de frio vai continuar esta semana.

O frio constante da cidade atrai turistas durante todo o ano, que esgotam as atrações temáticas. Em 2011, mais de 10.000 turistas visitaram a cidade para observar a aurora boreal durante o festival anual das luzes polares.

Uma autoestrada que liga a cidade remota à capital Pequim abriu em dezembro de 2019 em clima de grande festa.

As alterações climáticas agravaram a frequência e intensidade dos eventos climáticos extremos.

Há poucos meses, a China assistiu à sua pior onda de calor desde 1961 - o que levou a cortes maciços de energia e reduziu os rios a níveis de seca. O calor extremo prolongou-se durante 70 dias e o seu impacto foi sentido em grande parte do país.

Na província de Sichuan, no sudoeste, onde vivem 80 milhões de pessoas, cortes de eletricidade obrigaram ao encerramento de fábricas e deixaram casas e escritórios às escuras - matando também milhares de aves de capoeira e peixes nas explorações agrícolas.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados