Marcelo espera que sindicatos dos médicos e Governo cheguem a acordo

Agência Lusa , CF
17 jun, 22:46
Marcelo Rebelo de Sousa (Hugo Delgado/ LUSA)

O Presidente da República considera a crise das urgências um "sinal de febre", e defende ser necessário encontrar "o medicamento para resolver concretamente esse ponto"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira esperar que os sindicatos dos médicos e o Governo cheguem a acordo nas negociações das condições de trabalho no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Eu acho que a interlocução tem de ser, obviamente, entre o Governo e os sindicatos. (…) É um problema de sindicatos, laboral, e do Governo. Espero que cheguem a acordo”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em Castanheira de Pera, distrito de Leiria.

O chefe de Estado salientou que “há duas situações diferentes, uma é o planeamento geral relativamente à saúde, outra coisa é a resolução de um ponto concreto desta crise, que foi a crise dos obstetras e das urgências e do pagamento das urgências”.

“Uma coisa é o panorama geral que vai ter de ser debatido, ponderado e decidido depois, porque não se reduz apenas à questão da urgência dos obstetras”, declarou, considerando a questão das urgências de ginecologia/obstetrícia um “sinal de febre”.

Quanto a esse sinal de febre, o Presidente da República manifestou o desejo de que “seja possível encontrar, como acontece muitas vezes na febre, aquele que é o medicamento para resolver concretamente esse ponto para já”.

“Vamos esperar que o diálogo permita”, acrescentou, reconhecendo que “há uma coisa ainda mais importante e mais longa, que são os meses de julho, agosto e até setembro”.

“Eu espero pensando no problema geral - não se pode separar completamente uma coisa da outra - haja no diálogo possibilidade de encontrar uma forma de prevenir para o verão em que estamos a entrar a não repetição de casos como este”, adiantou Marcelo Rebelo de Sousa.

Os sindicatos entregaram esta sexta-feira ao Governo uma contraposta conjunta a exigir um “compromisso negocial” das condições de trabalho dos médicos do SNS e que rejeita a solução “avulsa e pontual” apresentada na quinta-feira.

“A contraposta exige um compromisso negocial em relação às condições base do trabalho médico no SNS, que inclua a remuneração base, mas também todas as condições que vêm no acordo coletivo de trabalho”, adiantou à Lusa o presidente da comissão executiva da Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Segundo Noel Carrilho, esta contraposta foi apresentada conjuntamente com o Sindicato Independente do Médicos, um dia depois da primeira reunião para analisar a proposta de diploma do Governo sobre as remunerações dos clínicos em serviço de urgência, que terminou sem acordo.

Esta foi uma das medidas que a ministra Marta Temido apresentou na sequência do encerramento de urgências de ginecologia e obstetrícia de hospitais de vários pontos do país nos últimos dias, por dificuldades em assegurar escalas de médicos.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados