Ministério da Saúde brasileiro sofre novo ciberataque

Agência Lusa , AM
14 dez 2021, 06:25
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde no Brasil
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde no Brasil

Novo ataque ocorreu entre o final de domingo e segunda-feira. Ministro assegura que dados não foram comprometidos

PUB

O ministro da Saúde brasileiro disse ter ocorrido um segundo ciberataque ao Ministério da Saúde, depois da ação de piratas informáticos na sexta-feira passada.

"Foi algo menor e estamos a trabalhar para recuperar o mais rápido possível. Esse é o objetivo, estamos a trabalhar aqui de maneira intensa para que tudo seja reestabelecido”, declarou, na segunda-feira, Marcelo Queiroga, de acordo com a imprensa local.

PUB

"São duas coisas diferentes. Aquele primeiro ataque não foi um ataque ao Ministério da Saúde, aquilo foi a nível da Embratel [empresa de telecomunicações e de rede de dados do Brasil] e, felizmente, os dados não foram comprometidos", acrescentou.

O novo ataque ocorreu entre o final de domingo e segunda-feira.

Antes das declarações do ministro, a tutela da Saúde indicou, em comunicado, que o 'site' DATASUS [Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde] estava a efetuar uma "manutenção preventiva na rede interna".

Logo após a confirmação de Queiroga, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República do Brasil anunciou, em comunicado, a ocorrência de "incidentes cibernéticos contra órgãos de Governo" na última sexta-feira e que o executivo está a atuar "de forma coordenada para retomar os serviços, que estão a ser reativados à medida em que o tratamento ocorre".

PUB
PUB
PUB

A estabilização dos 'sites' vai ser resolvida "até amanhã [terça-feira]", salientou Queiroga.

O primeiro ataque ocorreu na madrugada de sexta-feira e foi dirigido à página na internet do Ministério da Saúde do Brasil e à aplicação que contém todos os dados da vacinação contra a covid-19 no país, levando à suspensão das plataformas.

A invasão do sistema comprometeu o sistema de notificação do Programa Nacional de Imunizações e as características técnicas que impedem a emissão do Certificado Nacional de Vacinação brasileiro contra a covid-19, entre outros dados, de acordo com um comunicado divulgado pelo Ministério da Saúde.

O ataque foi realizado pelo “Grupo Lapsus”, que assumiu a responsabilidade pelo crime com uma mensagem publicada 'online', noticiaram vários meios de comunicação locais.

Com os danos causados pelo ataque dos piratas informáticos, milhões de brasileiros não puderam obter o certificado digital da vacinação contra a covid-19, necessário para ter acesso a locais públicos em grande parte do país e também para viajar para o estrangeiro.

PUB
PUB
PUB

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Brasil

Mais Brasil

Patrocinados