Cresceu no Benfica, voou ao deixar o ninho e está às portas do céu

11 jan, 09:08

Miguel Espinha esteve 14 anos nas águias mas deu o ‘salto’ quando decidiu sair da zona de conforto

«Mais longe e mais alto» é uma rubrica do Maisfutebol que olha para atletas e modalidades além do futebol. Histórias de esforço, superação, de sucessos e dificuldades.

Um Espinha na baliza da seleção? Onde é que já ouvimos isso?

Pedro. Pedro Espinha, isso mesmo. O guardião que fez carreira em vários clubes, entre os quais o Belenenses, Salgueiros, V. Guimarães e FC Porto, e que foi seis vezes internacional por Portugal.

Pedro Espinha, dizíamos, foi o primeiro. Mas Miguel, o sobrinho, pode seguir-lhe as pisadas. Miguel Espinha, tal como o tio, é guarda-redes foi uma das novidades da convocatória de Paulo Jorge Pereira para o Europeu de andebol, apesar de ter visto o seu nome 'cair' no último momento, algo que vai adiar a estreia na seleção.

Em conversa com o Maisfutebol, o andebolista que se iniciou no Benfica e esteve ligado às águias durante 17 anos, assumiu que o legado familiar teve peso no momento de escolher a posição no campo.

«Claro que houve uma influência familiar. Além do meu tio, que foi guarda-redes de futebol, o meu pai foi de andebol. Fez a formação no Benfica e depois ainda jogou na primeira divisão, mas já sem ser no Benfica», começa por contar Miguel Espinha.

«Quando somos miúdos, tendemos a imitar aqueles que são as nossas referências e foi isso que me aconteceu. Sempre tive o gosto de ir à baliza, foi uma coisa que surgiu naturalmente», acrescenta.

Miguel é um dos três jogadores convocados para o Euro que não conta com qualquer internacionalização ‘A – juntamente com Martim Costa e Daniel Vieira, cujas histórias já demos a conhecer.

E essa convocatória é razão mais do que suficiente para ir conhecer o percurso de um guarda-redes que fez quase todo o trajeto no Benfica, mas que começou a voar mais alto precisamente depois de deixar as águias.

Sair da zona de conforto para crescer

Em 2020, ao fim de 14 épocas de ao serviço dos encarnados – com três empréstimos pelo meio -, Miguel Espinha decidiu que era a hora de dar um novo rumo à carreira e sair da zona de conforto, como o próprio admite.

«Foi a primeira vez que deixei Lisboa, fui morar sozinho para outro país e claro que ia reticente e receoso, mas também com muita esperança de que as coisas iam correr bem», revela.

E correram. Em Espanha, Miguel fez quase 30 jogos ao serviço do Huesca, na Liga ASOBAL, uma das mais competitivas do mundo.

«Foi importante ter saído do Benfica porque isso deu-me outra visibilidade. Dei-me a conhecer a outras pessoas do andebol e passaram a dar-me valor para lá do potencial que já me reconheciam e que acho que confirmei. Joguei bastante numa das melhores ligas do mundo, só atrás da Alemanha e da França», orgulha-se o guardião de 28 anos.

Ora, se eram precisas provas do crescimento do guardião em Espanha, a maior surgiu no final da época. Depois de ajudar o Huesca a chegar ao quinto lugar da liga espanhola, Espinha recebeu uma proposta para se mudar para França, tendo assinado pelo Cesson-Rennes, atual oitavo classificado da liga gaulesa.

Entretanto, Miguel agarrou um lugar na seleção de Paulo Jorge Pereira e esperava pela estreia, que podia acontecer na fase final do Europeu, levando-o a tocar o céu.

E será que a estreia, numa arena de Budapeste com capacidade para 20 mil pessoas já deixa Miguel a sonhar?

«Não, ainda falta algum tempo! Ainda não estou a pensar nisso porque há trabalho para fazer até lá. Talvez só comece mesmo a pensar quando chegarmos à Hungria. Aí, se calhar muda e começo a imaginar jogar ali com as bancadas cheias e a motivação vai ser ainda maior», acredita.

Miguel Espinha faz parte da ‘revolução’ – em parte imposta por lesões e finais de carreira – da comitiva que Paulo Jorge Pereira leva para Budapeste, onde Portugal vai ter a sua sede.

Para se ter uma noção, apenas nove jogadores repetem a presença, relativamente à equipa que surpreendeu a Europa do andebol há apenas dois anos, quando a seleção conseguiu a melhor classificação de sempre em europeus.

No que diz respeito aos guarda-redes, em concreto, só Gustavo Capdeville repete a presença, ele que era o terceiro guardião, atrás do malogrado Alfredo Quintana e do ‘quarentão’ Humberto Gomes.

Porém, Miguel Espinha garante que não será pelos guarda-redes que Portugal terá problemas, elogiando as três opções – Manuel Gaspar junta-se a Espinha e Capdeville -, apesar de juntos somarem apenas 33 internacionalizações.

«Acho que isso não conta muito. Todos temos demostrado qualidade não só em Portugal, como lá fora. Eu a jogar em Espanha e França, o Gustavo [Capdeville] e o Manuel [Gaspar] a jogar pelo Benfica e pelo Sporting nas competições europeias. Somos guarda-redes de futuro, mas também já somos de presente e só podemos crescer com esta responsabilidade que nos é dada», sublinha.

Apesar de ser o menos experiente internacionalmente, os dois últimos anos de Miguel Espinha mostram que ele não se deixa atemorizar por desafios.

Pelo contrário: supera-se diante das adversidades e cresce em terreno desconhecido.

Será, portanto, mais uma arma a ter em conta por Paulo Jorge Pereira.

[artigo atualizado após ser conhecida a convocatória final para o Europeu, na qual não consta o nome de Miguel Espinha]

OUTROS «MAIS LONGE E MAIS ALTO»

Um nome maior do badminton português voltou ao topo do mundo
Prata mundial entre mortais, piruetas e investigação oncológica
Nadar, pedalar e correr: o triatlo no sangue dos irmãos Batista
Vicente: nome próprio de 12 ouros e três recordes do mundo aos 16 anos
Rui Oliveira: um campeão na pista com os Jogos Olímpicos como meta
«Deram-me como acabado quando saí do Benfica: cerrei os dentes e fui campeão do mundo»
Nuno Borges: dos estudos e do ténis nos EUA até ao sonho no Estoril
Há um ano pensou desistir, a resiliência valeu-lhe o bronze no Europeu
Zicky: o menino da Guiné que foi do rinque ao Sporting e à Seleção
Auriol Dongmo: a portuguesa de coração que fugia de casa para lançar
O cinturão negro de Karaté que chegou a melhor do mundo no andebol
Recorde com 23 anos e bilhete para Tóquio após paragem na carreira
Só queria jogar com Nuno Gomes no Benfica, agora é a melhor do mundo
Há um ano jogava no Benfica e na seleção, agora sonha com informática
Rochele derrubou o racismo e agora quer medalha olímpica no judo
«É muito bom acordar de manhã e poder dizer que sou campeão da Europa»
Guerreiro: o cowboy de Pegões fez-se rei da montanha no Giro
O filho e neto de ciclistas que teve de passar o ano para ganhar a Volta
Vilaça «enfrentou» tubarões e crocodilos para chegar ao topo do mundo
O campeão que trocou as rodas pelas lâminas em busca do sonho Olímpico
Edu Sousa, o jovem guardião português que brilha no futsal espanhol
Gustavo Ribeiro, o miúdo lançado para o topo do mundo por uma prenda de Natal
«Transformei numa profissão o estilo de vida por que me apaixonei»
Recordista nacional venceu a Covid-19 e agora sonha com os Jogos Olímpicos
«O andebol foi diminuindo no meu coração e a medicina aumentando»
Quando outros ventos falham, é o sacrifício e amor à vela que os move
«O meu pai está a cumprir o seu dever de salvar vidas»
«O auge do MotoGP é ser campeão do Mundo e eu quero chegar lá»
«Sinto o sonho dos Jogos Olímpicos a fugir-me por entre os dedos»
Resistiu à doença, derrubou o preconceito e conquistou o mundo
Bruno Torres: no topo do mundo, mas com os pés bem assentes na areia
Leva uma «carreira a solo na vida», mas voa de recorde em recorde
O pai fez história no Benfica, o filho brilha no FC Porto e na seleção
«A minha perna esquerda vale ouro, a direita é só para subir degraus»

 

 

 

 

Relacionados

Seleção

Mais Seleção

Patrocinados