O "mundo parou" para ver e ouvir Joni Mitchell: há 20 anos que não dava um concerto completo

CNN Portugal , MJC
25 jul, 22:16
Joni Mitchell no Newport Folk Festival (GettyImages)

A cantora canadiana de 78 anos, que sofreu um aneurisma em 2015, apareceu no concerto de Brandi Carlile no Newport Folk Festival, nos EUA, que logo se transformou num concerto seu

Sentada numa poltrona no meio do palco e rodeada de amigos, Joni Mitchell não escondeu a alegria e a emoção a cantar "Carey", "Both Sides Now" e mais uma série de músicas no Newport Folk Festival. A última vez que a cantora canadiana, atualmente com 78 anos, tinha dava um espetáculo completo tinha sido no Wiltern, em Los Angeles, a 13 de novembro de 2002. Depois disso só teve participações esporádicas - em 2015 sofreu um aneurisma e desde então tem-se mantido afastada dos grandes eventos.

O inesperado concerto aconteceu este domingo à noite pelas mãos de Brandi Carlile, cantora de 41 anos que, além de grande admiradora de Joni Miichell, é também sua amiga e uma das intérpretes que têm mantido viva a sua obra. Anunciado como "Brandi Carlile and Friends", o concerto começou com Carlile  a pedir à multidão para acreditar no poder da música folk e na comunidade que ela cria. Membros do seu círculo íntimo entraram e formaram uma roda em torno de uma cadeira ao estilo Luís XIV, colocada no palco como um trono. Estavam lá artistas como Marcus Mumford, Blake Mills, Lucius, Wynonna, Celisse e Taylor Goldsmith.

"Este momento será conhecido para sempre como Joni Jam!", anunciou Carlile, referindo-se às muito faladas noites informais que ela e outros músicos de primeira linha partilharam na casa de Joni Mitchell, em Los Angeles, nos últimos anos. 

Finalmente, chegou Joni Mitchell. Apoiada por um dos amigos e com uma bengala - e ainda com uma boina sobre os seus longos cabelos louros -, Joni tomou o seu lugar na cadeira. Tudo começou com "Carey", interpretada maioritariamente por Carlile com a ajuda de uma Joni Mitchell sorridente e ensaiando pequenos movimentos de dança, apesar de sentada. Mas aos poucos Joni Mitchell foi ganhando protagonismo. 

Juntas cantaram clássicos de Mitchell, incluindo "A Case of You", "Both Sides Now" e "Big Yellow Taxi".  O set abrangeu a maior parte da carreira de Mitchell, incluindo alguns dos seus maiores sucessos - como "Amelia", "Help Me", "Shine",  "Come in From the Cold" e "Love Potion No. 9".

Encantando o público com histórias das suas muitas aventuras musicais, Joni contou, por exemplo, como viajou pelo país ao volante de um "Mercedes muito mau", uma viagem que inspirou o seu clássico de meados dos anos 1970, "Hejira"; e como conheceu o seu colega do jazz Tim Hardin. Mas a multidão delirou mesmo foi quando ela se levantou, agarrou uma guitarra elétrica e fez um longo solo, integrado em “Just Like This Train”, de Court e Spark -  e este foi um momento especial também porque Mitchell tinha perdido a capacidade de tocar guitarra com a doença.

A cantora tinha participado pela última vez no festival de Newport, em Rhode Island, em 1969.  "Acabei de perceber que Joni é a pessoa menos nervosa aqui em cima" comentou Brandi Carlile, que, mais à frente, deliciada com a voz de Joni Mitchell, dizia: "Será que o mundo parou? Sinto que todas as coisas más desapareceram".

No total foram 13 canções (incluindo o clássico de Gershwin, "Summertime") e mais de uma hora de concerto. Um dos momentos mais bonitos, de grande comunhão com o público, aconteceu com "Circle Game":

Desde que sofreu de um aneurisma cerebral em 2015, Mitchell tem feito poucas aparições públicas. Em 2018 esteve presente num concerto em sua homenagem, na comemoração do seu 75º aniversário: apareceu no palco enquanto outros músicos interpretavam "Big Yellow Taxi" para soprar as velas do bolo de aniversário.

Para marcar o 50º aniversário de "Blue", em junho no ano passado, partilhou um vídeo de agradecimento aos fãs e em dezembro apareceu na gala do Kennedy Center Honors, garantindo aos jornalistas: "Estou a coxear mas estou a recuperar bem". Em abril, Mitchell foi eleita personalidade do ano do MusiCares e fez uma breve apresentação na cerimónia.

Em janeiro, Joni Mitchell removeu o seu catálogo do Spotify em solidariedade com Neil Young, que tinha retirado a sua música da plataforma de streaming devido ao apoio dado a Joe Rogan, cujo podcast foi criticado por médicos por espalhar desinformação sobre a covid-19 e a vacinação. “Pessoas irresponsáveis ​​estão a espalhar mentiras que custam a vida das pessoas”, disse Mitchell. “Sou solidária com Neil Young e com as comunidades científicas e médicas nesta questão.”

 

Música

Mais Música

Patrocinados