Estas horas de jejum por dia melhoram o sono, o humor e também o apetite

CNN Portugal , DCT
26 nov 2023, 21:00
Jejum (Freepik)

São cada vez mais os estudos que apontam para os benefícios do jejum intermitente, mas este traz duas novidades: uma janela temporal concreta e a certeza de que o sucesso depende, e muito, da consistência

Comer apenas durante um intervalo de dez horas por dia, jejuando nas restantes 14 horas, parece ser uma das formas mais eficazes de melhorar o apetite e, ao mesmo tempo, o sono e o humor. A conclusão é de um recente estudo da King’s College London, universidade britânica.

Segundo os investigadores, que não se coíbem em dizer que este é “o maior estudo fora de uma clínica rigidamente controlada”, ao contrário do que até agora se pensava, períodos prolongados de jejum são também benéficos para o bem-estar em geral, além de poderem ser impulsionadores de um maior controlo do peso, uma vez que foi possível notar um maior controlo do apetite.

O que é realmente emocionante é que as descobertas mostram que não é preciso ser muito restritivo para ver resultados positivos. Uma janela alimentar de dez horas, que era administrável para a maioria das pessoas, melhorou o humor, os níveis de energia e a fome”, diz Sarah Berry, da School of Life Course & Population Sciences e cientista do projeto ZOE Health, que esteve envolvido na investigação. 

Nesta investigação participaram 37.545 pessoas, que recorreram à aplicação criada pelo projeto ZOE Health durante três semanas. Cada participante foi desafiado a comer normalmente durante a primeira semana e a aplicar depois uma janela alimentar de dez horas nas duas semanas seguintes - e como exemplifica a universidade britânica, se a primeira refeição era feita às 9:00 a última teria de ser às 19:00, dando início ao período de jejum.

Cada participante, além de relatar o que comia diariamente em cada refeição, teve ainda de fazer um registo dos níveis de humor, energia e fome. E foram os que conseguiram jejuar por 14 horas e de uma forma mais consistente - que é como quem diz, todos os dias, sem variar - os que apresentaram melhores resultados tanto na disposição, como na qualidade de sono e no apetite.

Desta vez, há evidências de que é na consistência que está a chave do sucesso. “Descobrimos pela primeira vez que aqueles que praticavam alimentação com restrição de tempo, mas não eram consistentes no dia a dia, não tinham os mesmos efeitos positivos para a saúde que aqueles que se dedicavam todos os dias”, diz Sarah Berry.

O estudo mostra ainda que a idade não tem de ser um entrave para melhorar a saúde, qualidade de vida e peso através da alimentação - seja o que se come e à hora que se come. Na investigação participaram pessoas com uma idade média de 60 anos. Do total de participantes, 78% eram mulheres e o índice de Massa Corporal (IMC) médio era de 25,6.

As conclusões deste estudo foram apresentadas na Conferência Europeia de Nutrição em Belgrado, Sérvia, que decorreu na semana passada.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Mais Lidas

Patrocinados