Collina: «A violência contra os árbitros é um cancro que pode matar o futebol»

13 dez 2023, 12:20
Pierluigi Collina

Presidente do Comité de Arbitragem da FIFA alerta para muitos casos pelo mundo fora que não chegam a ser notícia

Pierluigi Collina, antigo árbitro e atual presidente do Comité de Arbitragem da FIFA, considera que a violência verbal e física contra os árbitros é um «cancro» que pode vir a destruir o futebol e diz que todos o que amam a modalidade devem ter a «responsabilidade» de agir, «antes que seja tarde demais».

O antigo árbitro italiano referia-se às mediáticas agressões ao árbitro turco Halil Umut Meler, mas recorda que há muitos outros árbitros pelo mundo fora que passam por situações tão ou mais graves da que agora levaram à suspensão do futebol turco.

«O Halil Umut Meler é um árbitro muito bom e um grande homem. Posso dizer isto porque o vi várias vezes no campo de jogo e passei tempo com ele no Mundial Sub-20, na Argentina, no início do ano. Nem o árbitro, nem o homem, mereciam passar pelo que ele passou em Ankara», começa por referir Collina num comunicado divulgado pela FIFA.

Collina fala em «imagens horríveis» no jogo de Ankara, mas diz que há mais casos que nem chegam a ser notícia.

«Ele estava a fazer o trabalho dele quando foi agredido no campo de jogo. A imagem do Halil Umut deitado no chão, com as mãos a proteger a cabeça enquanto estava a ser pontapeado pelos agressores, tal como a imagem do inchaço no olho, são horríveis. Mas o que é mais horrível é saber que há milhares de árbitros pelo mundo fora que são agredidos verbalmente e fisicamente nos escalões mais baixos, sem que isso seja notícia nos media. São desconhecidos. E a maioria deles são jovens árbitros em início de carreira», destacou.

Em conclusão, Pierluigi Collina diz que é urgente mudar mentalidades. «Um árbitro não pode ser agredido por uma decisão que tomou, mesmo que tenha sido errada. O seu carro não pode ser destruído ou incendiado por causa de um penálti. Infelizmente isto não é um exagero, os carros incendiados é algo que acontece em alguns países e não é assim tão raro», apontou.

Collina agradece ainda as palavras de solidariedade que o presidente da FIFA Gianni Infantino dirigiu ao Halil Umut Meler. «É da responsabilidade de todos os que amam o jogo bonito de fazerem alguma coisa. Antes que seja tarde demais, antes que o cancro mate o futebol», destacou ainda.

Relacionados

Patrocinados