Touradas motivam acusações entre PAN e CDS. Do "lobo vestido de cordeiro" ao Chicão do século passado

4 jan, 23:14

Inês Sousa Real quer acabar com as touradas por considerar ser uma forma de divertimento "anacrónica", mas Francisco Rodrigues dos Santos garantiu que com "o CDS no governo o IVA da tauromaquia vai baixar novamente"

PUB

A tauromaquia foi o tema que dominou o frente a frente entre Inês Sousa Real e Francisco Rodrigues dos Santos. Foram 25 minutos de um debate aceso em que presidente do CDS-PP acusou o PAN de ser um "lobo com pele de cordeiro", por querer acabar com a caça e a tourada, e Inês disse a Chicão para se "aproximar do século XXI". 

Quem puxou o assunto para o meio da arena foi Francisco Rodrigues dos Santos quando classificou o PAN como um "partido animalista radical" que quer "impor de forma ditatorial a sua forma de vida às pessoas". O líder do CDS defende que a atividade tauromáquica é uma "arte performativa com raízes culturais" e se Inês Sousa Real não gosta, a solução é simples: "não assista". 

PUB

“O PAN não quer limitar a idade do acesso a tourada. O PAN é um partido ditador. Tem um gosto diferente dos portugueses e quer impô-lo. (...) Não gosta de touradas, não assista. Não procure proibi-las". 

Inês Sousa Real, que manteve sempre um sorriso no rosto enquanto ouvia estas acusações, deixou claro que o PAN "não respeita formas anacrónicas de divertimento" e que as touradas são uma atividade que "beneficia de milhões de euros”. E lançou uma pergunta: onde estão os 90 milhões de euros para o Campo Pequeno? 

PUB
PUB
PUB

"Os únicos postos de trabalho que se extinguem com a tauromaquia são de meia dúzia de pessoas que estão ligadas ao lobby da tauromaquia e que beneficiam de milhões de euros. Os portugueses gostariam de certeza de saber para onde foram os 90 milhões de euros para o Campo Pequeno, para que se fossem lá realizadas touradas, e que desapareceu no processo de insolvência."

Num tom mais aceso, a porta-voz do PAN usa a carta das autárquicas para atacar Francisco: "Quantos vereadores elegeu em Santarém? Zero". Não satisfeito, o democrata-cristão deixou uma garantia: "O CDS no governo vai baixar novamente o IVA da tauromaquia". "Isso não vai acontecer, porque para isso teria de ser eleito para o governo", rematou Inês.

Vídeo: o essencial do debate sobre o mundo rural em três minutos

PAN é "linha azul" para apoiar um governo do PSD

E no que toca a fórmulas governativas, Francisco Rodrigues dos Santos não hesitou em dizer que se o PAN fizer parte de uma solução do PSD, Rui Rio não contará com o seu apoio. "Com o PAN é completamente impossível. É um impedimento, é uma linha azul", assegurou. 

PUB
PUB
PUB

"O PAN é contra a via verde na Saúde, mas defende um SNS para cães e gatos. É contra a criminalização do abandono de idosos nos hospitais, mas criminalização do abandono de animais de companhia. É a favor da eutanásia, mas é contra o abate de animais", argumentou. 

Lançada a mesma pergunta mas no sentido inverso, ou seja, se faria parte um governo PSD com o apoio do CDS, Inês Sousa Real limitou-se a dizer que "teria de estar em cima da mesa o acompanhar daquelas que são as linhas vermelhas do PAN" e que o CDS teria de se "aproximar do século XXI". 

PAN quer ferrovia que ligue todas as capitais de distrito e CDS uma redução dos impostos na eletricidade e combustíveis

O partido Pessoas-Animais-Natureza ainda não apresentou o programa eleitoral, mas algumas das suas bandeiras passam por taxar atividades poluentes, priorizar a transição energética, acabar com as isenções às petrolíferas e criar-se uma ferrovia que ligue "todas as capitais de distrito".

“Nos ainda não apresentamos o nosso programa eleitoral deste ano, vai ser apresentado em breve. Mas naquilo que respeita a política fiscal do PAN, nós temo-nos pugnado por dois princípios basilares essenciais: por um lado garantir maior justiça social e uma justiça ambiental e as duas não tem de ser antagónicas".

PUB
PUB
PUB

Já Francisco Rodrigues dos Santos quer uma redução de 30% nas faturas dos combustíveis e da eletricidade para as empresas e famílias. Confrontado sobre se isso não vai incentivar as pessoas a pegarem mais nos carros, respondeu: "eu acho que é fundamental que haja uma boa cobertura aos transportes públicos para que sejam uma alternativa” e, por isso mesmo, defender "a privatização de todas as empresas de transportes públicos". 

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados