Prisão preventiva para suspeito de atear fogo com isqueiro em Vila Real

Agência Lusa , FMC
2 ago, 18:20
Preso

A GNR indicou que o incêndio terá consumido cerca de um hectare

O Tribunal de Vila Real decretou a prisão preventiva ao suspeito de atear um incêndio florestal, naquele concelho, com recurso a um isqueiro e que foi detido em flagrante pela GNR, disse esta terça-feira a força de segurança.

Após um alerta de incêndio florestal na segunda-feira, os elementos da Equipa de Proteção Florestal (EPF), do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) de Vila Real, deslocaram-se “de imediato” para o local onde detetaram o suspeito de 39 anos a atear focos de incêndio.

Segundo disse o Comando Territorial de Vila Real, em comunicado, o suspeito estaria a atear os fogos com “recurso a um isqueiro”, numa área florestal.

A Guarda acrescentou que o incêndio terá consumido cerca de um hectare de terreno.

O suspeito foi presente esta terça-feira ao Tribunal de Vila Real, que lhe aplicou, segundo disse fonte da GNR, a medida de coação mais gravosa, a prisão preventiva.

O Comando Territorial de Vila Real identificou este ano 42 suspeitos de incêndios florestais, dos quais 11 foram detidos em flagrante.

Em 2021, foram identificados 83 suspeitos do mesmo crime, tendo sido detidos oito em flagrante.

A GNR relembrou que as queimas e queimadas são das principais causas de incêndios em Portugal, que a realização de queimadas, de queima de amontoados e de fogueiras é interdita sempre que se verifique um nível de perigo de incêndio rural “muito elevado” ou “máximo”, estando dependente de autorização ou de comunicação prévia noutros períodos.

Para evitar acidentes, a Guarda, pede que sejam seguidas as regras de segurança e recorda que a Linha SOS Ambiente e Território (808 200 520) funciona em permanência para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados