Incêndio de Vila Real aproxima-se de aldeias e exige reforço de meios terrestres

Agência Lusa , CF
21 ago, 21:32
Incêndios em Baião, no Norte de Portugal (Hugo Delgado/ LUSA)

Prioridade dos mais de 400 operacionais no local é proteger as populações e habitações, explica o comandante distrital de Operações de Socorro de Vila Real

Os meios terrestres estavam a ser reforçados ao início da noite no combate ao incêndio que deflagrou este domingo na Samardã, Vila Real, e que se aproximava de aldeias, disse fonte da Proteção Civil.

O comandante distrital de Operações de socorro (CODIS) de Vila Real, Miguel Fonseca, disse que a prioridade dos operacionais, neste momento, é fazer a “proteção às populações e habitações”.

Segundo o responsável, pelas 20:00 as aldeias que causavam mais preocupação e onde os meios estavam posicionados eram Sanguinhedo, Felgueiras, Fortunho e São Tomé do Castelo.

O fogo que deflagrou pelas 07:00 na serra do Alvão, na zona da Samardã, continuava a avançar, pelas 20:00, em três frentes e a progredir com muita intensidade. O vento forte tem sido a principal dificuldade no combate às chamas.

Durante a tarde, o fogo rodeou a aldeia de Vilarinho da Samardã, passou pela Estrada Nacional 2 (EN2), desceu ao rio Corgo e subiu, na outra margem, para a zona onde agora aumentam as preocupações dos operacionais.

Segundo o 'site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção (ANEPC), para o local estavam mobilizados, pelas 20:00, 402 operacionais e 115 meios terrestres.

Devido ao fumo intenso, os meios aéreos já não estão a operar neste incêndio há algum tempo.

A Autoestrada 24 (A24) permanece cortada entre os nós de São Tomé do Castelo e de Vila Pouca de Aguiar e a EN2 permanece também cortada entre Escariz e Soutelinho do Mezio.

Ao final da tarde, o presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, deixou um apelo às populações para se autoproteger devido à dimensão do incêndio e referiu que este fogo “começou logo pela manhã, com quatro pontos de ignição, teve uma frente inicial de cerca de três quilómetros, uma progressão muito, muito rápida”.

País

Mais País

Patrocinados