Ucrânia atinge petroleiro russo com drone marítimo - horas depois de atacar base naval

CNN , Tim Lister, Victoria Butenko e Kostan Nechyporenko
5 ago 2023, 13:47
Ataques de drone marítimo da Ucrânia contra a Rússia

Um dos maiores petroleiros russos foi atingido por um drone marítimo, na mais recente investida de uma campanha militar ucraniana, que emprega veículos não tripulados para atacar alvos russos distantes por ar e por mar.

O Sig, navio de bandeira russa, foi atingido pouco antes da meia-noite por um drone que transportava 450 kg de TNT, segundo uma fonte do Serviço de Segurança da Ucrânia. O ataque abriu um buraco na casa das máquinas do navio, na linha de água a estibordo, obrigando a tripulação de 11 pessoas a lutar contra a entrada de água, segundo as autoridades russas. A inundação acabou por parar.

A Agência Federal Russa para o Transporte Marítimo e Fluvial disse que não houve vítimas e que o Sig não estava a transportar petróleo quando o drone embateu no navio. As autoridades ucranianas disseram, no entanto, que alguns tripulantes ficaram feridos e que o petroleiro transportava combustível para as forças armadas russas.

A CNN não conseguiu verificar de forma independente estas afirmações.

O ataque ao Sig ocorreu poucas horas depois de os drones marítimos ucranianos terem visado uma importante base naval em Novorossiysk, uma cidade costeira do Mar Negro que alberga o maior porto da Rússia em termos de volume de carga movimentada. Um navio de desembarque anfíbio russo foi atingido, deixando-o muito inclinado e muito baixo na água.

Nas últimas semanas, a Ucrânia intensificou os seus ataques com veículos aéreos não tripulados, atingindo alvos bem dentro do território russo, incluindo em Moscovo.

A nova geração de poderosos drones marítimos, no entanto, pode abrir uma nova frente para Kiev no conflito de 18 meses.

As armas são drones rápidos e semi-submersíveis e estão a revelar-se muito difíceis de defender. Podem ser facilmente lançados no mar e, pelo menos algumas variantes, são capazes de viajar várias centenas de quilómetros até aos seus alvos.

Até à data, os seus ataques têm-se revelado capazes de paralisar grandes navios.

Os dois ataques marítimos de sexta-feira tiveram lugar perto do estreito de Kerch, que liga a península da Crimeia à Rússia continental.

Depois de anexar ilegalmente a península em 2014, o Kremlin gastou cerca de 3,7 mil milhões de dólares para ligar física e simbolicamente a Crimeia à Rússia através de uma ponte. O Presidente russo, Vladimir Putin, liderou pessoalmente um comboio sobre o viaduto de 12 quilómetros - o mais longo da Europa - para celebrar a sua abertura em 2018.

A ponte de Kerch foi alvo de vários ataques desde que a Rússia invadiu a Ucrânia no ano passado. Uma explosão em outubro matou três pessoas e destruiu parte da estrada e as forças ucranianas atacaram a ponte no mês passado.

O ataque de sexta-feira, no entanto, parece ter sido um dos maiores até à data. Além dos ataques ao Sig e à base naval, na manhã de sexta-feira os drones aéreos ucranianos atacaram uma instalação de armazenamento de petróleo em Feodosia, uma cidade na costa sul da península da Crimeia. No total, dez veículos aéreos não tripulados foram abatidos sobre a Crimeia, de acordo com o Ministério da Defesa da Rússia

As autoridades ucranianas prometeram continuar a atacar a ponte e os navios que navegam nas águas territoriais ucranianas, mesmo que sejam controlados pela Rússia. O chefe do Serviço de Segurança ucraniano, Vasyl Maliuk, classificou esses ataques como “absolutamente lógicos e eficazes”.

Maliuk disse que se os russos quisessem que tais incidentes parassem, “só têm a opção de o fazer - deixar as águas territoriais da Ucrânia e a nossa terra”.

O Serviço Hidrológico Estatal da Ucrânia também advertiu os navios contra a utilização de vários portos russos devido à guerra.

As agências ucranianas, especialmente o Serviço de Segurança, têm-se manifestado de forma notória sobre a utilização destes drones no Mar Negro, após meses de reticências.

A sua utilização constitui um estímulo moral e uma vantagem no campo de batalha, permitindo a Kiev explorar uma nova tecnologia de fabrico nacional no mar, enquanto as suas forças lutam para conquistar terreno na contraofensiva em terra.

Europa

Mais Europa

Patrocinados