Telemóveis, automóveis, petróleo, yuans… Como o “desespero” está a escancarar a Rússia à China

CNN , Laura He
15 set, 16:15
Xi Jinping e Vladimir Putin

A amizade que “não tem limites” entre os dois países intensificou as relações comerciais com a guerra. Mas a parceria serve interesses entre rivais históricos. E pode nascer do desespero russo.

Três formas como a China e a Rússia estão a forjar laços económicos muito mais próximos

O líder chinês Xi Jinping e o seu homólogo russo, Vladimir Putin, encontrar-se-ão cara a cara esta semana pela primeira vez desde que Moscovo enviou tropas para a Ucrânia no início deste ano.

Quando se encontraram pela última vez, em fevereiro em Pequim, durante os Jogos Olímpicos de Inverno, proclamaram que a sua amizade “não tinha limites”. Desde então, a Rússia tem procurado ter laços cada vez mais estreitos com a China, à medida que a Europa e os Estados Unidos respondem à invasão com vaga após vaga de sanções.

Pequim tem cuidadosamente evitado violar as sanções ocidentais ou fornecer apoio militar direto a Moscovo. Este ato de equilíbrio, dizem os especialistas, é um sinal de que Xi não sacrificará os interesses económicos da China para salvar Putin, que chegou esta semana à cimeira da Organização de Cooperação de Xangai no Uzbequistão enquanto o seu exército se retirava de grandes extensões do território ucraniano.

Mas a relação comercial está a florescer, de uma forma desequilibrada, uma vez que a Rússia procura desesperadamente novos mercados e a China - uma economia 10 vezes maior - procura mercadorias baratas.

O comércio de bens bilaterais está a níveis recordes, à medida que a China se apodera do petróleo e do carvão para enfrentar uma crise energética. A Rússia, entretanto, tornou-se um mercado de topo para a moeda chinesa, e as empresas chinesas apressam-se a preencher o vácuo deixado pela partida de marcas ocidentais.

Comércio recorde

Os gastos da China em bens russos aumentaram 60% em agosto em relação a um ano atrás, atingindo 11,2 mil milhões de dólares, de acordo com as estatísticas aduaneiras chinesas, ultrapassando o crescimento de 49% verificado em julho.

As suas remessas para a Rússia, entretanto, saltaram 26%, para oito mil milhões de dólares em agosto, também uma aceleração em relação ao mês anterior.

Durante os primeiros oito meses deste ano, o comércio total de mercadorias entre a China e a Rússia aumentou 31%, para 117,2 mil milhões de dólares. Isto é já 80% do total do ano passado - que se cifrou num recorde de 147 mil milhões de dólares.

“A Rússia precisa mais da China do que a China precisa da Rússia”, disse Keith Krach, antigo Subsecretário de Estado para o Crescimento Económico, Energia e Ambiente nos Estados Unidos.

"À medida que a guerra na Ucrânia se arrasta, Putin está a perder rapidamente amigos e a tornar-se cada vez mais dependente da China, cuja economia é 10 vezes maior do que a da Rússia", acrescentou.

Para a China, a Rússia representa agora 2,8% do seu volume total de comércio, ligeiramente superior à quota de 2,5% no final do ano passado. A União Europeia e os Estados Unidos têm quotas muito maiores.

A China já era o maior parceiro comercial único da Rússia antes da guerra, e representava 16% do seu comércio externo total.

Mas a segunda maior economia do mundo assumiu um significado muito maior para a Rússia, que mergulhou numa recessão devido às sanções ocidentais.

O banco central russo deixou de publicar dados comerciais detalhados quando a guerra na Ucrânia começou. Mas o instituto Bruegel, um grupo de reflexão económico europeu, analisou recentemente estatísticas dos 34 principais parceiros comerciais da Rússia e estimou que a China terá representado cerca de 24% das exportações russas em junho.

"O comércio China-Rússia está em expansão porque a China está a aproveitar a crise da Ucrânia para comprar energia russa com desconto e substituir as empresas ocidentais que saíram do mercado", disse Neil Thomas, analista sénior sobre a China no Eurasia Group.

Em maio, a Rússia desalojou a Arábia Saudita do lugar de principal fornecedor de petróleo à China. Moscovo manteve-se nesse primeiro lugar durante três meses consecutivos até julho, de acordo com os últimos dados aduaneiros chineses.

As importações de carvão da China da Rússia também atingiram um máximo de cinco anos, de 7,42 milhões de toneladas métricas em julho.

Yuan, o novo dólar na Rússia?

A guerra da Ucrânia também fez aumentar a procura do yuan chinês na Rússia, uma vez que as sanções ocidentais cortaram em grande parte a Moscovo ao sistema financeiro global e restringiram o seu acesso ao dólar e ao euro.

O comércio de yuan na bolsa de valores de Moscovo atingiu 20% do volume total de transações das principais moedas em julho, contra um máximo de 0,5% em janeiro, de acordo com a Kommersant, um meio de comunicação social russo.

Os volumes comerciais diários na taxa de câmbio do yuan-rublo também atingiram um novo recorde no mês passado, ultrapassando pela primeira vez na história o comércio de rublo-dólar, de acordo com a RT, meio de comunicação social russo controlado pelo Estado.

De acordo com estatísticas publicadas pelo SWIFT, o sistema de mensagens utilizado pelas instituições financeiras a nível mundial para processar pagamentos internacionais, a Rússia foi o terceiro maior mercado do mundo para pagamentos efetuados em yuan fora da China continental em julho, depois de Hong Kong e do Reino Unido. O país nem sequer aparecia na lista dos 15 maiores mercados de yuan da SWIFT em fevereiro.

As empresas e bancos russos estão também a recorrer cada vez mais ao yuan para pagamentos internacionais.

Na semana passada, a Gazprom da Rússia disse que iria começar a faturar à China em yuans e rublos para fornecimentos de gás natural, enquanto o banco russo VTB disse que estava a lançar transferências de dinheiro para a China em yuans.

Para Pequim, isto representa um impulso nas suas ambições de fazer do yuan uma moeda global.

"O aumento da utilização russa do yuan também ajuda a avançar os objetivos a longo prazo da China para fazer do dólar americano uma moeda global, para se isolar das sanções financeiras ocidentais, e para reforçar o seu poder institucional nas finanças internacionais", disse Thomas do Eurasia Group.

Para a Rússia, esta parceria com a China “nasce do desespero”, disse Krach.

"Porque a Rússia foi gravemente enfraquecida, em parte por sanções, Putin está disposto a fazer um acordo com um poder predatório, desde que ganhe acesso ao capital", acrescentou.

Empresas chinesas preenchem o vazio

As empresas chinesas estão também a tirar partido do êxodo de marcas ocidentais da Rússia.

Os smartphones chineses representaram dois terços de todas as novas vendas na Rússia entre abril e junho, informou a Reuters, citando o maior retalhista russo de eletrónica, M.Video-Eldorado. A sua quota total na Rússia aumentou constantemente de 50% no primeiro trimestre, para 60% em abril, e depois para mais de 70% em junho, disse a M.Video.

A Xiaomi foi o fabricante de smartphones mais vendido na Rússia em julho, detendo 42% do mercado, de acordo com a Kommersant.

A Samsung , outrora líder de mercado, teve apenas 8,5% do mercado em julho. A Apple deteve 7%. As duas empresas representavam quase metade do mercado russo antes da invasão da Ucrânia, mas suspenderam as vendas de novos produtos no país após o início da guerra.

Os automóveis chineses também inundaram a Rússia.

Os automóveis de passageiros de fabricantes chineses representavam quase 26% do mercado russo em agosto, o mais elevado de sempre, segundo a agência de análise russa Autostat. Isto compara com apenas 9,5% no primeiro trimestre.

Os principais intervenientes mundiais do sector automóvel, incluindo a Ford e a Toyota, recuaram da Rússia este ano.

Limites na parceria "sem limites”

Mas há também limites significativos na parceria China-Rússia, dizem analistas.

A China não está a fornecer apoio militar, comercial ou tecnológico que “arrisque sanções significativas dos EUA contra a China”, disse Thomas do Eurasia Group.

“Pequim não sacrificará os seus próprios interesses económicos para apoiar Moscovo”, diz.

Temendo uma reação negativa dos EUA, a China tem recusado até agora “firmemente” violar as sanções internacionais contra a Rússia, forçando Moscovo a solicitar apoio militar à Coreia do Norte, disse Craig Singleton, membro sénior da China na Fundação para a Defesa das Democracias, sediada em Washington, nos EUA.

“A recusa de Pequim em violar as sanções americanas e internacionais reflete a sua relutância em aceitar que a China continua a depender do capital e da tecnologia ocidentais para sustentar o seu desenvolvimento contínuo, embora Xi esteja pessoalmente inclinado a ajudar o esforço de guerra de Putin", disse ele.

Além disso, a rápida desaceleração económica da China que se verifica este ano limitará ainda mais a vontade de Xi em ajudar Putin. O Presidente chinês não vai querer arriscar nada que desestabilize ainda mais a economia meras semanas antes de estar preparado para assegurar um terceiro mandato histórico no congresso do Partido Comunista.

O que o futuro nos reserva

As relações futuras provavelmente permanecerão tensas, e a China quererá manter as suas opções em aberto, afirmam analistas.

“Sempre houve desconfiança entre os dois regimes que, historicamente, se trataram como rivais", observou Krach.

A atual parceria sino-russa é sobretudo uma parceria “defensiva”, reforçada pela opinião comum de Pequim e Moscovo de que a NATO e os Estados Unidos representam uma “ameaça de segurança nacional palpável”, afirma Susan Thornton, colega sénior e professora visitante na Faculdade de Direito de Yale.

“A guerra da Rússia na Ucrânia não é do interesse da China, mas dada a hostilidade ocidental, a China não se oporá à Rússia”, conclui.

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados