Mobilização de Putin com arranque caótico: protestos, erros de recrutamento e um êxodo

CNN , Katharina Krebs, Radina Gigova, Simone McCarthy e Sana Noor Haq
26 set, 10:00
Vladimir Putin

Início dos planos de Putin para responder à contraofensiva da Ucrânia depara-se com vários problemas

A "mobilização parcial" da Rússia para a sua guerra na Ucrânia está a ter um início caótico entre de protestos, erros de alistamento e um êxodo de cidadãos em fuga da Rússia, à medida que o Kremlin endurece as regras contra a evasão às ordens militares.

Alguns residentes da República Sakha, no extremo oriente russo, foram recrutados “por engano”, apesar de não serem elegíveis para a mobilização, tais como pais de crianças menores de idade, de acordo com um líder local.

“Todos os que foram mobilizados por engano devem ser enviados de regresso. Este trabalho já começou”, disse o chefe da república, Aisen Nikolaev, numa publicação na rede social Telegram, após uma reunião sobre o decreto presidencial de mobilização parcial.

Dois deputados seniores na Rússia reconheceram estas questões no domingo, dizendo que a mobilização deveria ser levada a cabo “em conformidade com a lei” e lamentando relatos de “incidentes errados de mobilização de cidadãos”.

“Tais extremos são absolutamente inaceitáveis. E, na minha opinião, a reação dura a que estamos a assistir na sociedade é merecida”, disse Valentina Matviyenko, a speaker do Conselho da Federação Russa, no Telegram.

Num discurso direto aos governadores regionais da Rússia, Matviyenko disse que eles eram “plenamente responsáveis pela realização de campanhas de mobilização”, em “total e absoluta conformidade com os critérios anunciados”.

Vyacheslav Volodin, o presidente da Duma, a Câmara Baixa do Parlamento russo, fez eco aos apelos de Matviyenko no sentido do controlo, acrescentando: “Se for cometido um erro, este deve ser corrigido”.

Entretanto, vídeos que circulam nas redes sociais da Rússia parecem revelar as tensões, tristeza e confusão que o recrutamento - que começou após um anúncio de quarta-feira - provocou, com cenas de famílias a despedir-se emocionalmente e outras de recrutas a discutir sobre serem chamados.

Um vídeo de sexta-feira parece mostrar a polícia e os membros da Guarda Nacional envolvidos em confrontos com uma multidão, enquanto os homens recrutados embarcam num autocarro na região de Omsk, na Sibéria.

O Presidente russo, Vladimir Putin, na quarta-feira, aumentou significativamente a parada para os russos comuns do seu ataque à Ucrânia, com o anúncio de uma “mobilização parcial” imediata, numa tentativa de reforçar a sua invasão vacilante na sequência dos ganhos ucranianos.

A mobilização apenas afetaria russos já com experiência militar, segundo o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, que disse que seriam convocados 300 mil reservistas. No entanto, o próprio decreto dá termos muito mais amplos, semeando entre os russos receios de um recrutamento mais amplo no futuro.

Grupos ativistas, como a Free Buryatia Foundation, afirmaram que as minorias étnicas na Rússia estão a ser mobilizadas de forma desproporcionada. A CNN tem vídeos geolocalidos de alguns destes homens a serem mobilizados nas regiões do extremo oriente da Rússia.

A resistência "vai crescer"

O anúncio da mobilização desencadeou manifestações anti-guerra em todo o país, que foram rapidamente reprimidas pela polícia. Pelo menos 1.472 manifestantes foram detidos em dezenas de cidades por toda a Rússia a partir de sábado, de acordo com o grupo independente de monitorização de protestos OVD-Info.

Isso também provocou um êxodo da Rússia, com homens em idade militar a fugir do país em vez de correrem o risco de serem recrutados, havendo filmagens em vídeo de longas filas de tráfego nos postos fronteiriços terrestres para vários países vizinhos e voos em alta nos últimos dias.

Mais de 8.500 russos viajaram para a vizinha Finlândia no sábado por terra, segundo o oficial finlandês da Guarda de Fronteira Matti Pitkäniitty. O número representou um aumento de 62% em relação ao sábado anterior, escreveu ele no Twitter. Cerca de 4.200 russos saíram da Finlândia para a Rússia, acrescentou ele.

O posto fronteiriço de Vaalimaa, no sudeste da Finlândia, foi o ponto mais movimentado para os russos que entraram no país, disse Pitkäniitty noutro tweet no domingo, acrescentando que a linha às 8 horas da manhã, hora local, tinha cerca de 500 metros de comprimento.

Ksenia Thorstrom, um deputado municipal russo de São Petersburgo que deixou a Rússia, chamou à mobilização uma “decisão muito impopular”, em comentários à CNN no sábado.

“Não esperava que Putin fizesse isto”, disse Thorstrom, apontando protestos por todo o país e acrescentando que “quando o primeiro choque desaparecer, a resistência vai crescer”.

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, durante a sua alocução noturna de sábado, chamou à mobilização parcial da Rússia uma “mobilização para sepulturas” e exortou os soldados a renderem-se.

Esses soldados que se renderem serão “tratados de forma civilizada”prometeu Zelensky, dizendo que ninguém na Rússia saberá que a sua “rendição foi voluntária”, e que se tiverem “medo de regressar à Rússia e não quiserem uma troca”, a Ucrânia “encontrará uma forma de garantir também isto”.

Regras apertadas

Mas a Rússia movimentou-se para, com novas leis, dissuadir os militares de se esquivarem ao recrutamento ou de desobedecerem às ordens.

Putin assinou no sábado várias emendas ao Código Penal do país, reforçando as punições relativas ao serviço militar durante os períodos de mobilização, lei marcial ou tempo de guerra, que são considerados “fatores agravantes nas sentenças penais”, de acordo com a linguagem publicada no portal jurídico do governo. Isto acontece na sequência da introdução de alterações pela Duma na terça-feira.

Ao abrigo das novas regras, os russos que abandonarem ou não se apresentarem para serviço militar poderão ser sujeitos a uma pena de prisão até 10 anos.

“A lei federal também introduz a responsabilidade criminal do pessoal militar por rendição voluntária, bem como a responsabilidade criminal por pilhagem durante a lei marcial, em tempo de guerra ou em condições de conflito armado ou operações de combate”, lê-se numa declaração do Kremlin sobre as emendas.

Putin assinou também uma lei no sábado que facilitará aos estrangeiros ao serviço das forças armadas russas a candidatura à cidadania russa, eliminando a necessidade de tais candidatos apresentarem uma autorização de residência, como era anteriormente exigido.

Numa jogada à parte, o Ministério da Defesa russo disse no sábado ter substituído o seu vice-ministro da Defesa, nomeando o Coronel-General Mikhail Mizintsev - um oficial que, segundo a Ucrânia, liderou o cerco da cidade portuária oriental de Mariupol - para o cargo.

Referendos 'fictícios' em curso

A mobilização coincide com a votação num conjunto de referendos de adesão à Rússia, que, segundo os líderes apoiados por Moscovo, estão a ter lugar em quatro regiões da Ucrânia ocupadas pela Rússia desde de sexta-feira.

Os referendos têm sido amplamente denunciados pelos governos ocidentais como sendo ilegítimos e uma manobra política, numa altura em que a Rússia perdeu terreno significativo para a Ucrânia, particularmente no nordeste do país.

Eles podem também abrir caminho à anexação russa das regiões, permitindo a Moscovo enquadrar a contraofensiva ucraniana em curso como um ataque à própria Rússia, dando-lhe um pretexto potencial para intensificar o seu ataque à Ucrânia. Putin disse na semana passada que utilizaria “todos os meios à nossa disposição”, se considerasse que a “integridade territorial” da Rússia estava a ser posta em risco.

Globalmente, a afluência às urnas no primeiro dia de votação em referendos nas autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk e nas regiões de Zaporizhzhia e Kherson, excedeu 15%, afirmou Alexander Kholodov, vice-presidente do órgão de controlo estatal russo, a Comissão de Segurança e Interacção da Comissão de Controlo Público, de acordo com a RIA Novosti.

A Ucrânia solicitou uma reunião urgente do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre os referendos “fictícios” da Rússia nos territórios ocupados da Ucrânia, segundo o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Oleg Nikolenko.

“A Rússia deve ser responsabilizada pelas suas novas tentativas de alterar as fronteiras internacionalmente reconhecidas da Ucrânia numa violação da Carta das Nações Unidas”, disse Nikolenko num tweet no sábado.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados