Como os novos mísseis que chegaram à Ucrânia estão a causar problemas à Rússia

CNN , Tim Lister e Oren Liebermann
15 jul, 09:00
Ucrânia

Há um novo e potencialmente muito significativo fator no conflito ucraniano: a capacidade dos ucranianos de utilizar sistemas ocidentais recentemente fornecidos para atingir postos de comando russos, centros logísticos e lixeiras de munições muito além das linhas da frente.

Na última semana, houve enormes explosões em várias áreas ocupadas nas regiões de Donetsk, Lugansk, Zaporizhzhia e Kherson. A prova disponível, de imagens de satélite e de analistas ocidentais, demonstra que o alcance tem sido altamente eficaz.

Durante meses, os militares ucranianos pediram a artilharia de precisão de longo alcance e sistemas de mísseis dos parceiros ocidentais. Agora, têm-nos e estão a destacá-los com efeitos consideráveis tanto no Sul como no Leste do país.

Os militares ucranianos não estão a dar muitos pormenores, mas Vadim Denysenko, um alto responsável do Ministério do Interior, disse quarta-feira que, nas últimas duas semanas, “sobretudo graças às armas que a Ucrânia recebeu, conseguimos destruir cerca de duas dúzias de armazéns com armas e stocks de combustível e lubrificantes. Isto irá certamente afetar a intensidade do fogo” que os russos conseguem produzir, disse ele.

O melhor da classe é o sistema de lança-foguetes múltiplos, HIMARS, fornecido pelos EUA. Mas os ucranianos também receberam morteiros M777, tanto dos EUA como do Canadá, e os morteiros de longo alcance Caesar, de França.

Além disso, o Reino Unido comprometeu-se a fornecer o M270 Sistema de Lança-foguetes Múltiplos (MLRS), que é mais poderoso que o HIMARS, mas não é claro quando é que a Ucrânia irá completar a formação sobre o sistema e implementá-lo.

A versatilidade do HIMARS está no seu nome: o Sistema de Foguetes de Artilharia de Grande Mobilidade. A sua mobilidade torna-o mais difícil de atingir e pode ser tripulado por apenas oito soldados. Os mísseis fornecidos à Ucrânia têm um alcance de 70 a 80 quilómetros (cerca de 50 milhas). E os seus sistemas de orientação GPS tornam-nos extremamente precisos.

Como diz Mick Ryan, um analista militar e antigo major-general australiano: “É utilizado para destruir nós críticos de comunicação, postos de comando, aeródromos e instalações logísticas importantes”.

Os oficiais superiores russos são, portanto, especialmente vulneráveis. A precisão do HIMARS também significa que os ucranianos podem preocupar-se menos com as baixas civis. Os mísseis guiados são precisos entre os dois e os três metros, disseram dois oficiais da defesa à CNN, permitindo aos ucranianos utilizar muito menos munições para atingir alvos com precisão à distância.

O HIMARS parece ter sido utilizado num ataque massivo contra um armazém na cidade de Nova Kakhovka, na região de Kherson, na segunda-feira à noite. O ataque desencadeou explosões secundárias e causou danos generalizados, de acordo com imagens de satélite analisadas pela CNN. As imagens mostraram o quão preciso tinha sido o ataque, deixando apenas uma pequena cratera.

Esta imagem de satélite da Planet Labs PBC mostra o resultado de um ataque ucraniano ao que dizem ser um depósito de munições russo em Nova Kakhovka.

Oficiais locais pró-russos disseram que foram recuperadas partes de um míssil HIMARS; os números de série correspondiam à arma.

Houve também grandes explosões nas regiões de Lugansk e Donetsk, desencadeando múltiplas detonações. O mesmo aconteceu em Shakhtarsk, em Donetsk, e na região de Kherson, durante o fim-de-semana, assim como perto de Melitopol, em Zaporizhzhia, na semana passada.

Ao todo, parece que foram atingidos cerca de uma dúzia de alvos muito para lá das linhas russas, em julho. A maioria deles estava, pelo menos, a 40 quilómetros da frente, uma distância que, com a precisão dos velhos mísseis Tochka-U, seria difícil.

Os ucranianos também têm estado a disparar HIMARS durante a noite, o que faz com que seja mais difícil para os russos detetar e atacar os atiradores. As forças russas têm tido dificuldade em lutar à noite desde o início do conflito e os ucranianos continuam a usar isto a seu proveito.

Legenda do Mapa

Avaliação do controlo russo // Avaliação dos avanços russo

Controlo russo reivindicado // Contraofensivas ucranianas reivindicadas

Dados de 11 de julho de 2022
Notas: "Avaliação" significa que o Instituto para o Estudo da Guerra recebeu informação fiável e verificável de forma independente para demonstrar o controlo russo ou os avanços nessas áreas. Os avanços russos são áreas onde as forças russas têm operado ou lançado ataques, mas não as controlam. As áreas "reivindicadas" são aquelas onde as fontes dizem existir um controlo ou onde ocorreram contraofensivas, mas o Instituto não pode corroborar nem demonstrar que são falsas.
Fontes: O Instituto para o Estudo da Guerra com o Critical Threats Project do AEI; LandScan HD para a Ucrânia, Laboratório Nacional de Oak Ridge
Gráfico: Renée Rigdon, CNN

Mudar o campo de batalha

O direcionamento pode também ter sido facilitado pela forma como os militares russos armazenam e movimentam as suas armas.

Phillips O'Brien, professor de estudos estratégicos na Universidade de St. Andrews, diz que o ataque a Nova Kakhovka está a revelar “o estado da logística militar e os problemas reais que os russos enfrentam”.

O alvo era adjacente a um centro ferroviário, crucial para o esforço logístico russo sustentar a sua ofensiva e, por isso, era um alvo óbvio.

“Os russos deixaram um depósito de abastecimento importante, ridiculamente fácil de localizar, exatamente onde se esperaria encontrá-lo. Ou os russos são incapazes de reagir, devido a falhas no comando, ou não conseguem realmente mover os depósitos, porque não têm mobilidade em estrada”, tweetou O'Brien.

Um oficial ucraniano insinuou que visar o armazém tinha sido fácil. Serhiy Khlan, um membro do conselho regional de Kherson, disse no Facebook: “Em Nova Kakhovka, menos um depósito de munições russo. Eles trouxeram, trouxeram, armazenaram, armazenaram e, agora, têm fogo de artifício à noite”.

Ben Hodges, o antigo comandante do exército dos EUA na Europa, tweetou após o ataque de Kherson no fim-de-semana: “Trabalho menos adorado no exército russo? Manipulador de munições”.

Numa reunião, na semana passada, um alto oficial do Departamento de Defesa dos EUA disse que “o foco em armas de maior capacidade, precisão e alcance” para a Ucrânia era o mais importante.

Na sexta-feira, o Pentágono anunciou um carregamento para a Ucrânia de 1000 ogivas de artilharia de 155 mm, mas com uma munição mais recente, de maior precisão, de acordo com o oficial. Os ucranianos têm gastado munições de 155 mm a uma taxa de 3000 por dia. Tal como o HIMARS, a maior precisão deve significar que são necessárias menos munições.

O oficial argumentou que o HIMARS estava a mudar o campo de batalha. “O que temos visto é a capacidade de os ucranianos utilizarem estes sistemas HIMAR para perturbar significativamente a capacidade dos russos de avançar”.

“Se os russos pensam que podem sobreviver aos ucranianos, é melhor repensarem-no”, acrescentou o oficial.

Os militares ucranianos andam num veículo militar enquanto rebocam um M777 rebocado de 155 mm, perto da linha da frente, no meio do ataque da Rússia à Ucrânia, na região de Donbass.
Membros dos serviços ucranianos disparam contra posições russas com um morteiro CAESAR autopropulsionado, enquanto o ataque russo à Ucrânia continua na região de Donetsk, a 8 de junho.

Um repórter militar russo, Yuri Kotenok, disse esta semana que o HIMARS representa “uma séria ameaça. As áreas libertadas das regiões de Kherson e Zaporizhzhia, a República Popular de Donetsk e a República Popular de Lugansk, assim como o território russo, estão sob possível fogo do HIMARS”.

Kotenok, que tem quase 300 mil seguidores no Telegram, disse que as defesas aéreas russas têm de ser melhoradas, tal como o direcionamento dos HIMARS, tanto em trânsito como destacadas. Ele disse que “se isto continuar, é necessário atingir os centros decisivos. As nossas limitações em ataques de retaliação contra o inimigo são, até certo ponto, incompreensíveis para mim”.

Outro repórter russo, Roman Sapenkov, disse ter testemunhado o ataque no fim-de-semana, na base russa no aeroporto de Kherson.

“Fiquei impressionado com o facto de o pacote inteiro, cinco ou seis mísseis, ter aterrado sobre um território praticamente minúsculo. Normalmente, o MLRS aterra numa vasta área e, ao alcance máximo, dispersa-se imenso”, escreveu, referindo-se a sistemas de lança-foguetes múltiplos menos avançados que o HIMARS ou o M777.

“É evidente que isto é apenas o início... Eles vão cobrir todos os postos de comando e instalações militares; os dados para tal foram recolhidos durante os últimos 4 meses”.

A importância das paletes

Um problema para os russos pode ser a forma como transportam munições, que é onde a humilde palete entra em ação.

Poucos camiões militares russos incluem uma grua para levantar munições pesadas, que raramente são transportadas em paletes, mas sim carregadas e descarregadas à mão. Foram vistos muitos camiões ZIL soviéticos velhos na Ucrânia.

A movimentação de armas e munições desta forma é incómoda, morosa e, potencialmente, dá à vigilância inimiga uma maior oportunidade de detetar tais carregamentos. Em contraste, os militares do Reino Unido e dos EUA armazenam grande parte das suas munições em paletes ou transportam-nas em contentores.

O modo de guerra russo, como testemunhado nos últimos três meses na Ucrânia oriental, depende de enormes barragens de artilharia para pulverizar os alvos antes de avançar. A doutrina militar russa sempre enfatizou uma utilização maciça de artilharia, MLRS e morteiros. Isto exige um reabastecimento constante. Alguns analistas calculam que a Rússia está a utilizar, pelo menos, 7000 bombas e mísseis por dia em Donbass e, com frequência, muitos mais.

Serhiy Hayday, chefe da administração militar regional de Lugansk, disse, na quarta-feira: “O exército russo não para de bombardear. Contudo, muito provavelmente, está a poupar o stock de bombas existentes, porque o seu fornecimento foi interrompido graças às nossas novas armas de longo alcance”.

Os oficiais ucranianos afirmam que os russos estão a ser afetados pelo aumento da sua capacidade de ataques de precisão de longo alcance.

Em Melitopol e arredores, por exemplo, os russos impuseram, nos últimos dias, restrições aos movimentos civis. A zona registou, pelo menos, dois grandes ataques este mês contra bases russas.

Mas, para os ucranianos aguentarem este ritmo de ataques, é necessária uma conduta sem obstáculos de munições do Ocidente. Os militares ucranianos estão a passar de uma organização amplamente dependente da artilharia e dos sistemas de mísseis da era soviética, com munições inadequadas, para a utilização de armas ocidentais de precisão, com munições suficientes, numa questão de meses.

Também não se sabe se algum dos poucos HIMARS enviados até à data foi abatido por fogo russo. Os militares ucranianos e o Ministério da Defesa evitam fornecer detalhes sobre o seu destacamento.

Ryan adverte que embora o HIMARS “tenha fornecido às Forças Armadas Ucranianas uma nova forma de atacar à distância os invasores russos, não existe uma solução milagrosa para a guerra”.

Mas os oficiais americanos estão confiantes de que a precisão da arma, assim como de outros sistemas precisos de longo alcance, irão mudar progressivamente o campo de batalha.

Uliana Pavlova, Barbara Starr e Josh Pennington contribuíram para este artigo.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados