Missão do Irão na ONU nega envolvimento de Teerão em ofensiva do Hamas

Agência Lusa , PF
9 out, 08:23
Ebrahim Raisi

"Apoiamos de forma enfática e inequívoca a causa palestiniana. No entanto, não estamos envolvidos na resposta palestiniana, que foi tomada apenas pela Palestina", afirmou a missão do Irão na ONU em Nova Iorque

A missão do Irão na ONU negou no domingo o envolvimento de Teerão no ataque do aliado Hamas contra Israel, num conflito que já fez mais de um milhar de mortos.

"Apoiamos de forma enfática e inequívoca a causa palestiniana. No entanto, não estamos envolvidos na resposta palestiniana, que foi tomada apenas pela Palestina", afirmou a missão do Irão na ONU em Nova Iorque, num comunicado divulgado por meios de comunicação social iranianos.

O jornal americano Wall Street Journal acusou Teerão de ter ajudado a planear o ataque desde agosto e de ter dado luz verde para o seu início.

O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, apelou no domingo aos “governos muçulmanos” para também afirmarem o seu apoio na sequência do ataque lançado pelo Hamas.

O líder iraniano fez a declaração depois de falar separadamente ao telefone com os líderes dos movimentos armados palestinianos Hamas, Ismail Haniyeh, e da Jihad Islâmica, Ziad al-Nakhala, que acolheu separadamente em junho, em Teerão.

O Irão mantém relações estreitas com os dois movimentos palestinianos e foi um dos primeiros países a saudar a ofensiva do Hamas lançada no sábado.

"O Irão apoia a autodefesa da nação palestiniana. O regime sionista e os seus apoiantes […] devem ser responsabilizados neste caso", disse o presidente Raïssi na sua mensagem dirigida "à nação palestiniana".

“Os governos muçulmanos deveriam juntar-se à comunidade muçulmana no apoio à nação palestina”, acrescentou.

O grupo islâmico Hamas lançou no sábado um ataque surpresa contra o território israelita, sob o nome de operação “Tempestade al-Aqsa”, com o lançamento de milhares de foguetes e a incursão de milicianos armados por terra, mar e ar.

Em resposta ao ataque surpresa, Israel bombardeou a partir do ar várias instalações do Hamas na Faixa de Gaza, numa operação que batizou como “Espadas de Ferro”.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, declarou que Israel está “em guerra” com o Hamas.

O mais recente balanço do Ministério da Saúde palestiniano registava, no domingo, 413 mortos devido aos ataques aéreos israelitas em Gaza, o que elevava para mais de 1.100 o total de mortes nos dois lados dos confrontos armados iniciados no sábado.

Segundo o ministério, citado pela agência espanhola EFE, entre os 413 mortos estavam 78 menores e 41 mulheres.

Nas últimas horas foram atacadas duas torres na cidade de Gaza, admitindo-se que o balanço possa aumentar.

A estas vítimas somavam-se os mais de 700 mortos do mais recente balanço do Ministério da Saúde de Israel, também divulgado no domingo.

O elevado número de mortos confirmado em pouco mais de 24 horas não tem precedentes na história de Israel, apenas comparável à sangrenta primeira guerra israelo-árabe de 1948, após a fundação do Estado de Israel.

Relacionados

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados