Biden arrisca aprofundar a guerra no Médio Oriente com a pressão para responder ao ataque às tropas norte-americanas

CNN , Kevin Liptak
29 jan, 09:50
Joe Biden, presidente dos EUA (EPA via LUSA)

A morte de três soldados norte-americanos num ataque de drones, no domingo, empurrou os Estados Unidos para um conflito mais profundo no Médio Oriente e deu uma nova urgência aos esforços para garantir a libertação de reféns em Gaza, em troca de uma paragem prolongada dos combates entre Israel e o Hamas.

A confluência de acontecimentos interligados - as conversações de alto risco sobre os reféns em França estavam em curso ao mesmo tempo que os funcionários americanos se debatiam com a morte das tropas na Jordânia - constituiu um dos momentos mais pesados desde o início da violência que se seguiu aos ataques de 7 de outubro realizados pelo Hamas em solo israelita.

Agora, os líderes em Washington e no Médio Oriente estão a ponderar escolhas que podem transformar significativamente a situação, com milhares de vidas e o futuro da região em jogo.

O presidente Joe Biden, que prometeu responder aos ataques dos drones "no momento e da forma que escolhermos", enfrenta uma decisão sobre a escala da represália norte-americana, que terá consequências tanto na região como a nível interno, numa altura em que entra numa dura luta pela reeleição.

Em Israel, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está sob intensa pressão para chegar a um acordo que garanta o regresso dos mais de 100 reféns que ainda se encontram em Gaza, um passo que exigirá uma longa pausa na campanha de Israel contra o Hamas.

E em Teerão, os líderes têm de determinar se uma estratégia de semear a instabilidade na região através de grupos radicais os está a aproximar de um combate direto com os Estados Unidos - um passo que, segundo as autoridades norte-americanas, o Irão não quer e que o país tem feito todos os esforços para evitar.

A forma como cada uma das partes se comportar nos próximos dias poderá alterar significativamente a trajetória da guerra entre Israel e o Hamas e as tensões mais vastas que esta desencadeou no Médio Oriente. As questões têm sido objeto de horas de intensas discussões na Sala de Crise da Casa Branca e de conversações de alto nível entre os líderes.

"Esta é uma escalada perigosa. Temos estado a tentar garantir que este conflito não se agrave. Isto aproxima-o muito mais desse ponto", disse o representante Adam Smith, do estado de Washington, o principal democrata do Comité dos Serviços Armados da Câmara dos Representantes, sobre os ataques com drones na Jordânia, que deixaram mais de 30 militares americanos feridos, para além das vítimas mortais. "É imperativo que os EUA respondam e encontrem uma forma de parar estes ataques, e sei que o presidente está a trabalhar nesse sentido."

Smith disse que as perspetivas de uma guerra alargada não podem ser separadas da situação em Gaza, onde a campanha militar de Israel já matou mais de 26 mil pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde local, e desencadeou o aumento da violência em toda a região.

"O que acontece em Gaza é crucial", disse Smith. "O conflito em Gaza está a dar poder ao Irão neste momento. E isso é mau para nós, mau para Israel, mau para os Estados árabes, mau para o mundo. Por isso, encontrar uma solução para isso é também uma parte crucial deste desafio".

Falando no salão de banquetes de uma igreja batista na Carolina do Sul horas depois dos ataques, Biden não deixou dúvidas quanto às suas amplas intenções: "Vamos responder", disse, depois de pedir um minuto de silêncio pelas tropas norte-americanas mortas.

No entanto, o aspeto dessa resposta ainda está a ser determinado. Tem havido um imperativo dentro da Casa Branca para evitar que o conflito se alastre - e uma forte aversão a envolver-se diretamente numa guerra regional contra o Irão.

No entanto, Biden já está a ser pressionado para aumentar a escala do contra-ataque americano. No domingo, os republicanos apelaram rapidamente ao presidente para que atacasse alvos no interior do Irão, que os EUA acusam de estar por detrás dos grupos radicais que atacam as tropas americanas no Iraque e na Síria, e que fazem parte da Resistência Islâmica, conjunto de grupos armados ao qual pertencem Hamas ou Hezbollah.

O senador Lindsey Graham, da Carolina do Sul, instou a administração a "atacar alvos importantes dentro do Irão, não apenas como represália pela morte das nossas forças, mas como dissuasão contra futuras agressões. A única coisa que o regime iraniano entende é a força".

O senador John Cornyn, do Texas, foi mais direto: "Alvo Teerão", escreveu no X.

Para Biden, cuja forma de lidar com o conflito de Gaza já gerou raiva política, no momento em que entra na campanha para a reeleição, a escolha de como responder será politicamente difícil.

As autoridades norte-americanas afirmaram ter utilizado canais de apoio para transmitir ao Irão e aos seus representantes que os ataques às tropas norte-americanas têm de parar. No entanto, esses esforços parecem ter feito pouco para impedir os ataques com drones, e os funcionários da Casa Branca há muito que temem que um deles acabe por resultar em mortes.

Com esse medo agora concretizado, as autoridades disseram que o presidente estava determinado a responder com força. Numa série de reuniões no domingo com os principais membros da sua equipa de segurança nacional, incluindo o secretário da Defesa, Lloyd Austin, e o conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, Biden discutiu os ataques e as potenciais respostas norte-americanas.

Ao mesmo tempo, os responsáveis norte-americanos continuam esperançados em chegar a um acordo sobre os reféns que inclua uma longa pausa nos combates em Gaza - e, esperam, um abrandamento das tensões na região.

Os responsáveis norte-americanos acreditam que uma paragem mais prolongada dos combates poderia permitir a entrada de mais ajuda humanitária em Gaza, bem como a continuação das discussões sobre o futuro da campanha de Israel contra o Hamas.

Biden enviou o diretor da CIA, Bill Burns, a Paris para conversações no domingo sobre um plano que incluiria uma libertação faseada de todos os reféns restantes em Gaza, juntamente com uma suspensão da guerra por dois meses, uma proposta que, se acordada, poderia ter um impacto significativo no futuro do conflito.

Posteriormente, o gabinete do Primeiro-Ministro israelita descreveu as conversações como "construtivas", mas afirmou que continuavam a existir "lacunas significativas". As partes "continuarão a discutir em reuniões mútuas adicionais que terão lugar esta semana", segundo o comunicado do gabinete.

Uma fonte diplomática disse à CNN que o primeiro-ministro do Catar deverá deslocar-se a Washington D. C. esta semana, à medida que as conversações se intensificam, sendo que este pequeno país da Península Arábica tem atuado como um mediador fundamental nas conversações com o Hamas.

A reunião de domingo, que contou com a presença de Burns e dos seus homólogos dos serviços secretos de Israel e do Egipto, bem como do primeiro-ministro do Catar, foi um momento importante na medida em que as negociações se aproximam de um acordo. As autoridades norte-americanas afirmaram estar cautelosamente optimistas quanto ao facto de as conversações estarem a avançar na direção certa e de ser possível chegar a um acordo em breve.

Com a morte dos três soldados norte-americanos a alimentar os receios de uma guerra regional cada vez maior, as autoridades americanas afirmaram que era agora mais urgente chegar a um acordo que pudesse reduzir as tensões.

"Esta perda e a crescente instabilidade em todo o Médio Oriente tornam ainda mais claro por que razão os negociadores de uma nova pausa nos combates em Gaza e do regresso dos reféns devem trabalhar com urgência", afirmou no X a deputada Elissa Slotkin, democrata do Michigan e antiga analista da CIA.

Relacionados

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados