Mulheres locais para cuidar da higiene das mulheres raptadas, um médico por pessoa: refém de 85 anos que começou por ser espancada diz que acabou a ser tratada com "gentileza" pelo Hamas

CNN , Heather Chen, Amir Tal, Mihir Melwani, Sophie Jeong e Lauren Said-Moorhouse (com Niamh Kennedy)
24 out, 13:37

É uma das duas pessoas que foram libertadas esta segunda-feira pelo Hamas. Revela que no início foi "um inferno" mas que depois não o foi. Deixa ainda críticas ao que considera ser um grave desleixo das forças israelitas

"Passei pelo inferno": refém do Hamas libertada descreve o rapto e a entrada no sistema de túneis

por Heather Chen, Amir Tal, Mihir Melwani, Sophie Jeong e Lauren Said-Moorhouse, CNN (com Niamh Kennedy)

 

Uma refém israelita libertada pelo Hamas descreveu a sua provação depois de ter sido raptada por homens armados e levada para um sistema de túneis em Gaza durante o ataque mortal do grupo militante palestiniano a Israel a 7 de outubro. "Passei por um inferno."

Yocheved Lifshitz, uma frágil avó de 85 anos que foi um dos dois reféns libertados esta segunda-feira pelo Hamas, contou em pormenor o momento em que os militantes a raptaram da sua casa no kibutz de Nir Oz e a levaram numa mota em direção a Gaza, um "ato doloroso" durante o qual disse ter sido espancada e ter sofrido contusões.

Lifshitz disse que foi forçada a andar em terreno molhado e desceu a um sistema de túneis subterrâneos que comparou a uma teia de aranha, onde foi recebida por "pessoas que nos disseram que acreditavam no Alcorão" e que prometeram "não fazer mal" - a ela e aos outros reféns.

A filha de Lifshitz, Sharone, que ajudou a transmitir os comentários da mãe aos jornalistas à porta de um hospital em Telavive, chamou-lhe uma "enorme rede" de túneis.

Lifshitz disse que foi inicialmente agrupada com outras 25 pessoas antes de os seus captores a separarem num grupo mais pequeno com outros quatro indivíduos do seu kibbutz. Disse que dormiam em colchões no chão dos túneis e contou como recebeu tratamento regular de médicos durante o seu encarceramento.

"Eles realmente cuidaram da parte sanitária das coisas para que não ficássemos doentes", acrescentou Lifshitz.

Cada um dos cinco reféns do seu grupo recebeu o seu próprio médico e havia um paramédico presente que supervisionava a medicação, disse ela.

"Eles foram muito generosos connosco, muito gentis. Mantiveram-nos limpos", disse Lifshitz. "Cuidaram de todos os pormenores. Há muitas mulheres e elas sabem o que é a higiene feminina e trataram de tudo."

Lifshitz também acusou as Forças de Defesa de Israel (IDF) e os serviços secretos Shin Bet de não levarem "a sério" as ameaças do Hamas e disse que a dispendiosa vedação da fronteira de Gaza erguida por Israel não contribuiu em nada para proteger a sua comunidade dos ataques do Hamas.

"A falta de sensibilização do Shin Bet e das IDF prejudicou-nos muito", sublinhou. "Avisaram-nos com três semanas de antecedência, queimaram campos, enviaram balões de fogo e as IDF não trataram o assunto com seriedade", continuou.

Lifschitz explicou como isto culminou no ataque a Nir Oz, no sul de Israel, a 7 de outubro.

"De repente, num sábado de manhã, estava tudo muito calmo. Houve uma forte pancada na colónia", disse Lifshit. Pouco tempo depois, "hordas" de combatentes do Hamas romperam as cercas "caras" do kibutz e continuaram a chegar em "massa", disse ela.

"Foi muito, muito difícil e desagradável", acrescentou Lifshitz, visivelmente perturbada.

Libertação de reféns é "uma coisa espantosa"

O Hamas libertou Lifshitz e a sua vizinha e amiga Nurit Cooper, de 79 anos, na segunda-feira. Mais tarde foram reunidas com familiares que acorreram à sua cabeceira no hospital Ichilov, em Telavive.

O neto de Lifshitz, Daniel, que soube da libertação da avó quando estava hospedado num hotel em Eilats com outros evacuados de Nir Oz, disse na segunda-feira que a notícia da libertação das mulheres provocou uma onda de alegria no hotel e a esperança de que outros possam ser libertados em breve.

"Para esta comunidade, ver estas duas mulheres idosas foi uma coisa espantosa", disse Daniel Lifshitz, que apanhou um helicóptero do hotel para ver a sua avó nas primeiras horas de terça-feira.

Mais de um quarto da comunidade de Nir Oz morreu ou continua desaparecida após o ataque terrorista do Hamas de 7 de outubro, que matou mais de 1.400 pessoas em ataques bárbaros, desencadeando represálias israelitas que estão a desencadear um conflito regional.

Yocheved Lifshitz filmada após a libertação

A libertação das duas mulheres eleva para quatro o número total de prisioneiros libertados, mas acredita-se que mais de 200 reféns estejam presos em Gaza, alguns no labirinto de túneis do Hamas escavados sob a faixa costeira.

Os restantes reféns incluem os maridos de Lifshitz e Cooper, Oded Lifshitz, 83 anos, e Amiram Cooper, 85 anos.

A filha de Yocheved, Sharone, disse anteriormente à CNN que estava "encantada" com a libertação da mãe mas teme pelo pai e pelos outros detidos.

"O meu pai está lá e muitas outras pessoas que conhecemos estão à espera de boas notícias sobre todos. Não sabemos o que se está a passar com eles. Nem sequer sabemos se estão vivos ou qual é a sua situação."

Raptados de casa

Durante décadas, Lifshitz e Cooper viveram na comunidade de Nir Oz, onde viviam 400 pessoas, perto da fronteira de Gaza. Por estar tão perto da barreira de proteção, foi uma das primeiras comunidades visadas pelos militantes do Hamas - e uma das mais atingidas.

As casas estão agora desprovidas de vida, com as janelas partidas, os quartos incendiados e os bens dos residentes espalhados por todo o lado. As imagens de vídeo mostram sangue seco espalhado nas camas e no chão, as paredes cheias de buracos de bala.

Lifshitz é um dos fundadores da comunidade e trabalhou como fotógrafa e professora na escola secundária regional, segundo um comunicado da comunidade de Nir Oz.

Cooper também era uma residente de longa data e trabalhou na educação infantil e na fábrica de tintas local, diz o comunicado.

Na terça-feira, Eti Uziel, enfermeira-chefe do hospital Ichilov, disse que as duas mulheres pareciam estar em "boas condições médicas".

"Elas ficarão connosco esta noite e amanhã", disse Uziel num vídeo divulgado pelo hospital pouco depois da chegada das mulheres.

"Neste momento, para elas e para os membros da família, é uma situação muito, muito emocional e estamos felizes por elas estarem aqui connosco."

Reféns restantes

A última libertação de reféns ocorre no meio da crescente pressão internacional sobre o governo israelita para garantir a libertação de centenas de outros reféns ainda mantidos em cativeiro em Gaza.

Entre eles encontram-se cidadãos de países como México, Brasil, Estados Unidos, Alemanha e Tailândia, bem como civis e soldados israelitas.

Em resposta aos mortíferos ataques de 7 de outubro, Israel prometeu aniquilar o Hamas e está a cortar o abastecimento de água, combustível e alimentos a Gaza, ao mesmo tempo que bombardeia alvos-chave com ataques aéreos.

Até agora, mais de 5.000 pessoas foram mortas em Gaza durante a implacável campanha israelita, segundo as autoridades sanitárias palestinianas.

O bombardeamento contínuo do enclave, apesar da presença de tantos civis palestinianos, irritou as nações árabes e suscitou a condenação de protestos públicos em todo o mundo.

Os Estados Unidos estão a tentar adiar uma ofensiva terrestre israelita na esperança de conseguir libertar mais reféns e ajudar Gaza, de acordo com duas fontes informadas sobre as discussões. No entanto, um alto funcionário israelita disse à CNN que "não haverá cessar-fogo".

O presidente dos EUA, Joe Biden, apelou na segunda-feira ao Hamas para libertar os reféns antes de se poderem iniciar conversações sobre um cessar-fogo.

Para as famílias dos detidos, não há tempo a perder.

Daniel Lifshitz disse que o facto de ter visto a sua avó mostrou-lhe que os outros reféns têm de ser libertados o mais rapidamente possível.

"Estou a dizer-vos que temos de ser rápidos, vendo a minha avó assim", disse.

"O tempo está a passar e... trazer todos os reféns de volta é tão evidente agora - é a principal missão de todos."

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados