De Vladimir Putin a Ursula von der Leyen: líderes políticos reagem à morte de Gorbatchov

Rafaela Laja , notícia atualizada às 11:48 com Lusa
30 ago, 22:49
Mikhail Gorbachev (REUTERS)

Um líder "confiável" e "respeitado" e "um homem que fica na História": tanto na Rússia como no Ocidente, os líderes políticos lamentaram a morte do antigo líder da União Soviética

O presidente russo, Vladimir Putin, expressou as "sentidas condolências" à família de Mikhail Gorbatchov. A reação de Putin ao óbito do antigo líder da União Soviética foi transmitida pelo porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, citado pela agência Interfax. O oitavo e último presidente soviético morreu aos 91 anos, vítima de doença prolongada.

Já na quarta-feira, num comunicado divulgado pela conta de Telegram do Kremlin, Putin referiu-se a Gorbatchov como "um estadista que teve uma enorme influência no curso da história mundial", tendo liderado o país "numa época de mudanças complexas e dramáticas, de grandes desafios de política externa, económicos e sociais".

"Ele tinha uma profunda compreensão da necessidade de reformas, e procurou propor as suas próprias soluções para os problemas prementes", pode ler-se no comunicado.

Um líder "confiável" e "respeitado"

Já a Ocidente, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, reagiu à morte de Mikhail Gorbatchov, considerando-o um “líder confiável e respeitado”. 

Na sua conta pessoal do Twitter, a presidente da Comissão Europeia destaca que o ex-líder soviético "desempenhou um papel crucial para terminar com a Guerra Fria e para a queda do Muro de Berlim."

"Abriu caminho para uma Europa livre", afirmou, assegurando que o seu legado "nunca será esquecido".

O primeiro-ministro britânico, por sua vez, recorda que "numa época de agressão de Putin na Ucrânia", o "compromisso incansável de Gorbarchov com a abertura da sociedade soviética continua a ser um exemplo para todos nós".

"Estou triste ao saber da morte de Gorbatchov. Sempre admirei a coragem e integridade que demonstrou ao levar a Guerra Fria a uma conclusão pacífica", escreveu Boris Jonson.

Também o secretário-geral da ONU, António Guterres, recorreu ao Twitter para lamentar a morte de Gorbatchov, destacando o facto de ter "mudado o rumo da história". "O mundo perdeu um líder global imponente", escreveu. “Fiquei profundamente triste ao saber da morte de Mikhail Gorbachev, um estadista único que mudou o curso da história. Ele fez mais do que qualquer outro indivíduo para trazer o fim pacífico da Guerra Fria”, sublinhou ainda o diplomata português, citado em nota de imprensa.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na terça-feira que o último líder da União Soviética, Mikhail Gorbachev, que morreu aos 91 anos de idade, era um homem de "visão extraordinária".

Em comunicado, Biden escreveu que Gorbatchov era um líder raro, com a imaginação de vislumbrar a possibilidade de um futuro diferente e coragem de arriscar toda a sua carreira para o conseguir.

"O resultado foi um mundo mais seguro e mais liberdade para milhões de pessoas", lembrou.

"O mundo ocidental tem de estar eternamente grato" 

Em Portugal, o presidente da Assembleia da República e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, prestou a sua homenagem a Gorbatchov, destacando o seu legado histórico.

O Presidente da República classificou-o como “uma figura marcante, que ficará na história da Rússia e do Mundo”. Numa nota divulgada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa evoca o antigo chefe de Estado como um homem que “soube abrir a Rússia ao concerto das Nações, ao diálogo e ao compromisso, terminando com o isolamento da União Soviética e permitindo a libertação de numerosas nações que a constituíram”

“Foi também o fim da cortina de ferro e da tensão conflitual que caracterizou toda a guerra fria, desde o final da segunda guerra até à última década do século passado”, acrescenta.

Na nota lê-se ainda que o Presidente da República “presta homenagem a esta figura marcante, que ficará na história da Rússia e do Mundo”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros deixou uma mensagem na sua página de Facebook, considerando que a morte do antigo líder da União Soviética Mikhail Gorbatchov representa a "perda de uma das grandes personalidades do século XX, que contribuiu para uma Europa livre".

Também Rui Rio lembra "um homem que fica na História" e a "quem o mundo ocidental tem de estar eternamente grato pelo seu trabalho em prol do diálogo e da paz".

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados