Google ignora ameaças de Bruxelas e responde: "Vamos continuar a defender a nossa abordagem"

Agência Lusa , NM
25 mar, 19:08
Google (EPA)

A gigante tecnológica garantiu ainda que “para cumprir com a lei dos mercados digitais” já haviam sido realizadas “alterações significativas" na forma como os serviços do grupo operam na Europa

A Google disse esta segunda-feira que irá “continuar a defender” a sua abordagem no cumprimento da lei dos mercados digitais, lembrando as alterações que realizou, depois de a Comissão Europeia (CE) ter avançado com uma investigação, ameaçando com multas.

Numa declaração enviada à Lusa, Oliver Bethell, que lidera a área de concorrência da multinacional, disse que “para cumprir com a lei dos mercados digitais” foram realizadas “alterações significativas" na forma como os serviços do grupo operam na Europa.

“Colaborámos com a Comissão Europeia, com ‘stakeholders’  e terceiros em dezenas de eventos ao longo do ano passado para receber e responder ao 'feedback' e para equilibrar necessidades contraditórias no ecossistema”, disse.

“Nos próximos meses vamos continuar a defender a nossa abordagem”, assegurou.

A Comissão Europeia abriu esta segunda-feira investigações de incumprimento contra a Alphabet (da Google), Apple e Meta (dona do Facebook) ao abrigo da nova lei dos mercados digitais, ameaçando com multas de até 10% da faturação destas 'gigantes' tecnológicas.

"Hoje, a Comissão Europeia deu início a investigações de incumprimento ao abrigo da Lei dos Mercados Digitais relativamente às regras da Alphabet sobre a orientação no Google Play e a auto preferência na Pesquisa Google, às regras da Apple sobre a orientação na App Store e o ecrã de escolha para o Safari e ao modelo de pagamento ou consentimento da Meta" por suspeitar que "as medidas adotadas por estes controladores de acesso não permitem o cumprimento efetivo das obrigações que lhes incumbem por força da nova lei", indica a instituição em comunicado.

Em concreto, no que toca à Alphabet e à Apple, o executivo comunitário afirma estar "preocupado com o facto de as medidas poderem não ser totalmente conformes pois impõem várias restrições e limitações".

Abrangidos estão serviços como Google Shopping, Google Flights e Google Hotels e, sobre a Apple, estão em causa aplicações de software no sistema operativo iOS.

Em causa está a nova Lei dos Mercados Digitais, que se aplica aos 'gatekeepers', empresas que, por vezes, criam barreiras entre empresas e consumidores e controlam ecossistemas inteiros, constituídos por diferentes serviços de plataforma, tais como mercados em linha, sistemas operativos, serviços em 'cloud' ou motores de busca 'online'.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados