Cruzeiro retido em Lisboa já não vai partir. Número de infetados com covid-19 sobe para 64

2 jan, 17:14
Navio de Cruzeiro
Navio de Cruzeiro

O navio Aidanova iria partir às 18:00 deste domingo para Lanzarote, mas foram detetados casos em mais oito tripulantes e quatro passageiros. A viagem foi cancelada e os passageiros reencaminhados para o Aeroporto de Lisboa

PUB

O cruzeiro que está atracado no Porto de Lisboa há vários dias devido a um surto de covid-19 foi cancelado. Nas últimas horas foram detetados mais 12 casos, elevando para 64 o número de infetados a bordo.

O navio Aidanova iria partir às 18:00 deste domingo para Lanzarote, mas foram detetados casos em mais oito tripulantes e quatro passageiros. Os restantes passageiros com teste negativo serão encaminhados na manhã de segunda-feira para o Aeroporto de Lisboa para seguir para os pontos de origem.

PUB

Segundo o comandante do Porto de Lisboa, Diogo Vieira Branco, todos os casos positivos estão totalmente vacinados e apresentam sintomas ligeiros.

"Imediatamente o navio accionou o protocolo da companhia. Estes elementos foram todos isolados e cumprem quarentena a bordo. Na sequência disso, a companhia entendeu terminar o cruzeiro porque estava irremediavelmente comprometido", afirmou o comandante à CNN Portugal.

O Aidanova, um navio proveniente da Alemanha, que conta com 4197 passageiros a bordo, entre 1353 tripulantes e 4197 passageiros, tinha como destino Lanzarote, Espanha. Antes, contudo, tinha prevista uma escala para esta noite no Funchal, no arquipélago da Madeira, para assistir ali ao fogo de artifício da passagem do ano.

PUB
PUB
PUB

No entanto, um surto de covid-19 entre os membros da tripulação alterou os planos, obrigando o navio a atracar em Lisboa, proibindo a saída dos milhares de passageiros, de vários nacionalidades, maioritariamente alemã, no porto da capital, onde permanecerão até ao próximo domingo, dia 2 de janeiro.

Inicialmente, as autoridades indicaram que tinham sido identificados 14 casos de infeção entre os tripulantes, um número que entretanto aumentou para 64.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados