Covid-19: risco de internamento e morte substancialmente menor com Ómicron face à Delta

Agência Lusa , AM
13 jan, 06:25

A duração média de hospitalização foi de 1,5 dias para a Ómicron, face aos quase cinco dias para os infetados com Delta

PUB

Um estudo aprofundado, que envolveu quase 70 mil norte-americanos infetados com covid-19, demonstrou um risco substancialmente menor de hospitalização e morte com a variante Ómicron, em comparação com a Delta, independentemente do nível de imunidade da população.

As pessoas infetadas com a Ómicron tinham metade do risco de serem hospitalizadas do que aquelas com a variante Delta, segundo o estudo divulgado na quarta-feira.

PUB

O risco de ser internado em cuidados intensivos foi reduzido em cerca de 75% e o risco de morte em mais de 90%, na comparação com as duas variantes do coronavírus SARS-CoV-2.

Das mais de 52 mil pessoas infetadas com Ómicron e acompanhadas por esta investigação, nenhuma delas necessitou de ser internada em cuidados intensivos, ao contrário das 11 pessoas, em quase 17 mil infetados com a variante Delta, que desenvolveram complicações graves.

A duração média de hospitalização foi de 1,5 dias para a Ómicron, face aos quase cinco dias para os infetados com Delta.

Ómicron é "intrinsecamente menos grave" do que a Delta

PUB
PUB
PUB

Esta análise foi realizada com recurso aos dados do sistema hospitalar californiano Kaiser Permanente, durante o mês de dezembro de 2021, quando ambas as variantes circulavam amplamente nos Estados Unidos.

Esta investigação reforça as conclusões dos dados de outros países, como África do Sul ou Reino Unido, que demonstram que a Ómicron se desenvolve mais nas vias aéreas superiores (nariz ou garganta) do que nos pulmões, onde se desenvolvem graves complicações devido à covid-19.

O estudo, que ainda não foi revisto pelos pares, foi conduzido por investigadores da Universidade da Califórnia, Berkeley, Kaiser Permanente e dos Centros de Prevenção e Controle de Doenças (CDC).

Segundo a diretora do CDC, Rochelle Walensky, este estudo levou em consideração parâmetros importantes, como idade, sexo, infeções anteriores por SARS-CoV-2, estado da vacinação e comorbidades.

Os resultados demonstraram que a Ómicron é "intrinsecamente menos grave" do que a Delta e não apenas para pessoas mais imunes, após uma infeção anterior ou a toma da vacina, sustenta o ensaio.

PUB
PUB
PUB

Apesar do estudo observar uma eficácia reduzida das vacinas contra infeções ligadas à variante Ómicron, a proteção permanece, no entanto, substancial contra as formas mais graves da doença.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados