Sirenes de alarme da Guerra Fria estão a soar em toda a França. Eis porquê

CNN , Camille Knight and Elias Lemercier
26 jun, 18:00
Sirenes de alerta em França

Testes em cidades e vilas de todo o país surpreendem muitos turistas, mas os franceses estão habituados. Bem, nem todos.

É uma quarta-feira típica à hora de almoço em Paris, as ruas a fervilhar de turistas, terraços cheios de mesas, quando o som de uma sirene de ataque aéreo enche o ar. Os seus gemidos atravessam a cidade durante quase dois minutos, atingindo um crescendo sobre o trânsito do meio-dia antes de desaparecer.

É uma ocorrência estranha. Mas o que ainda é estranho é que, além de alguns turistas confusos, ninguém parece reparar.

Em França, na primeira quarta-feira de cada mês, as sirenes - inicialmente criadas para alertas de bombardeamentos na Guerra Fria - rasgam o ar como testes aos alarmes em cerca de duas mil cidades e aldeias de todo o país.

Hoje, elas são apresentadas como avisos de desastres naturais ou industriais, mas com a guerra em curso no leste da Europa, as autoridades francesas emitiram declarações para lembrar aos franceses que aqueles 1 minuto e 41 segundos de lamento dos céus é apenas um exercício.

"Certamente que, se houvesse uma guerra, tê-la-íamos visto nas notícias ou assim", diz Ali Karali, um turista de Londres, ao ouvir a sirene este mês perto da Notre Dame de Paris. "Pensei que poderia ser importante mas, se fosse, as pessoas pareciam não se importar", disse ele à CNN.

No entanto, a surpresa não se limita aos visitantes. "Não é raro a câmara municipal receber chamadas de indivíduos, locais ou turistas, preocupados com as sirenes", contou Matthieu Pianezze, chefe do serviço interdepartamental de defesa e proteção civil em Yvelines, região a oeste de Paris. "Obviamente, eles são rapidamente tranquilizados pela nossa equipa, que está equipada com os instrumentos adequados para responder às suas preocupações na primeira quarta-feira do mês".

Uma história de amor francesa

As sirenes foram instaladas em toda a França após a Segunda Guerra Mundial para alertar em caso de bombardeamentos na Guerra Fria. Arquivo Hulton/Getty Images

As sirenes ouvidas hoje podem ser rastreadas até à Idade Média. Desde essa altura, tem sido responsabilidade da administração assinalar qualquer incidente que possa ameaçar fisicamente a população.

Um dos sinos mais comuns utilizados na altura era conhecido como o "tocsin", que se encontrava nas igrejas e era tocado por padres para alertar as populações para o perigo. Em 1914, os sinos foram tocados durante mais de uma hora em várias cidades, para alertar o maior número possível de pessoas sobre o início da Primeira Guerra Mundial.

Após a Segunda Guerra Mundial, foram instaladas sirenes para alertar sobre potenciais ameaças aéreas. A sua aplicação foi acelerada durante a Guerra Fria e elas podem agora ser ouvidas em toda a França.

Em Maison-Laffitte, uma cidade com cerca de 23 mil habitantes nos subúrbios ocidentais de Paris, a sirene principal está localizada no telhado da câmara municipal. Apenas os polícias têm acesso à sirene e os funcionários da Câmara Municipal obtêm lugares na primeira fila para o seu rugido.

 

 

"Funciona bem, não acha?", pergunta o vice-presidente da câmara, Gino Necchi, enquanto a sirene toca.

A forma como as sirenes funcionam é relativamente simples. "Os agentes da câmara municipal podem ativá-la através de uma aplicação de fácil acesso", diz Pianezze. "Este teste mensal permite-nos ver quais das nossas 47 sirenes estão 'doentes' e têm de ser levadas ao médico. Temos de as arranjar o mais depressa possível para que estejam prontas em caso de uma verdadeira emergência".

Um sistema arcaico?

Stéphane Mollet, técnico da Câmara Municipal de Maison Laffitte, abre uma caixa contendo electrónica de alerta.

Muitos têm questionado a eficácia deste sistema de aviso com décadas de existência. "França optou por manter as sirenes porque existe um certo património, uma tradição por detrás delas", diz o professor de geografia Johnny Douvinet, da Universidade de Avignon.

Como especialista em sistemas de alerta populacional, ele explica que foi o antigo Presidente Charles de Gaulle que ordenou a criação do sistema atual e que, "apesar das várias mudanças no Ministério da Administração Interna, a prioridade dada às sirenes como meio de alerta foi sempre mantida até aos dias de hoje".

Nem todos estão de acordo quanto à sua utilidade. O som da sirene é familiar a Jacqueline Bon, de 92 anos, que foi uma adolescente durante a Segunda Guerra Mundial. Mas ouvi-los regularmente "não tem absolutamente nenhum efeito sobre mim", diz ela, embora o som seja o mesmo de há quase um século.

"Iria afetar-me muito durante a guerra, porque eles tocavam sempre que havia um bombardeamento para que pudéssemos passar à clandestinidade para nos protegermos". Agora, ela sente que eles perderam o seu significado. "Já não vejo realmente o interesse", diz.

Mas dados os acontecimentos geopolíticos de hoje, Douvinet salienta que o regresso da guerra em território europeu pode ter refrescado o pensamento do público sobre as sirenes.

"A guerra na Ucrânia mostrou que talvez as sirenes não sejam tão inúteis como as pessoas pensavam", diz. "Uma coisa é clara, quando algo acontece, as pessoas querem ser informadas e alertadas".

Depois da Covid-19, e com grandes eventos como o Campeonato Mundial de Rugby em 2023 e os Jogos Olímpicos em 2024 no horizonte, "a cidade quer duplicar a gestão de riscos e crises", explicou o chefe da protecção civil Yvelines Pianezze.

Sinal dos tempos

Mesmo assim, os apelos à mudança do sistema, que alguns dizem estar desatualizado, têm vindo a crescer.

Em 2019, uma fábrica química incendiou-se de noite em Rouen, no noroeste de França, e uma nuvem de fumo negro envolveu a cidade. A escolha foi usar as sirenes como medida de alerta secundária, e acionar duas delas apenas algumas horas após o início do incêndio, para avisar as pessoas depois de acordarem de manhã. Entretanto, foi através do Twitter e dos meios de comunicação social que as autoridades optaram por comunicar.

Num discurso ao governo após o incêndio, o presidente da região da Normandia, Pierre-André Durand, disse que achava que o sistema tinha muito espaço para melhorias, e que "não podemos gerir crises do século XXI com uma ferramenta do século XX".

Tornar-se digital

Hardware que controla o sistema de alerta.

Os desejos de Durand podem tornar-se realidade em junho deste ano, porque as sirenes estão emparelhadas com um sistema novo e modernizado: França está a testar mensagens de telemóveis ao estilo "alerta laranja".

Se forem eficazes, deverão ser lançadas em todo o país este Verão. Embora já existam sistemas semelhantes em toda a Europa e nos EUA, esta tecnologia é inovadora, de acordo com Matthieu Pianezze, uma vez que combina tecnologias de transmissão celular e SMS baseadas em localização.

Isto significa que todas as pessoas numa determinada área, independentemente da sua rede celular ou telefone, receberão um alerta das autoridades. "Podem ser os turistas que estão apenas a visitar a área de Yvelines, por exemplo", disse Pianezze. "Imagine que no Palácio de Versalhes, onde há muitos turistas, todos receberiam um alerta. E possivelmente também numa variedade de línguas".

Isto não significa o fim da sirene da velha escola. Elas estão para ficar e irão simplesmente desempenhar um papel mais complementar em casos de emergência. As sirenes "ainda permitem alcançar áreas bastante vastas", acrescenta Pianezze. "Já ouviram a potência da sirene e penso que é muito importante ser capaz de manter coisas que já estão estabelecidas. Penso que estamos ligados a elas porque têm uma eficácia comprovada, obviamente não a 100%, mas continua a ser uma eficácia historicamente ligada a crises ou à guerra em França".

A tradição tem um lugar especial em França, e as sirenes não são exceção.

Assim, da próxima vez que visitar a França e for apanhado no que parece ser um ataque aéreo, mantenha a calma e lembre-se que é provavelmente apenas o início do mês.

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados