França expulsa dois diplomatas do Azerbaijão como medida de reciprocidade

Agência Lusa , PF
27 dez 2023, 18:17
Macron teve um papel fundamental para tentar evitar a guerra na Ucrânia.

O embaixador do Azerbaijão em França foi convocado esta quarta-feira ao Ministério "para ser informado destes elementos", disse a diplomacia francesa

A França decidiu expulsar dois diplomatas azeris como medida de reciprocidade após a decisão de Baku, na terça-feira, de declarar dois diplomatas franceses ‘persona non grata’.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês “refuta categoricamente as alegações apresentadas pelo Azerbaijão para justificar a sua decisão” relativamente aos diplomatas franceses, alegando que estes foram acusados sem provas de terem realizado atividades “incompatíveis com o seu estatuto”.

O embaixador do Azerbaijão em França foi convocado esta quarta-feira ao Ministério "para ser informado destes elementos", disse a diplomacia francesa.

Na terça-feira, Baku expressou, em comunicado, “um protesto firme contra as ações de dois funcionários da Embaixada francesa incompatíveis com o seu estatuto diplomático”, dando-lhes 48 horas para deixarem o país.

Nos últimos meses, o Azerbaijão acusou a França de desestabilizar o Cáucaso, ao fornecer ajuda à Arménia, rival de Baku, da qual é um apoiante histórico.

Em novembro, o Presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, acusou Paris de encorajar “novas guerras” ao armar Erevan.

A Arménia e o Azerbaijão mantêm relações conflituosas, nomeadamente por causa de Nagorno-Karabakh, um território separatista que Baku reconquistou em setembro.

Os dois países vizinhos tiveram dois conflitos pelo controlo deste enclave, um entre 1988 e 1994 e outro no outono de 2020.

Baku e Erevan anunciaram recentemente o seu desejo de normalizar as suas relações e garantir que um acordo de paz poderá ser assinado em breve, mas as conversações estão a ter poucos progressos.

A França – que acolhe uma numerosa comunidade arménia - tem estado envolvida na mediação entre estas duas antigas repúblicas soviéticas nos últimos meses e também demonstrou o seu apoio inabalável à Arménia.

Europa

Mais Europa

Patrocinados