Sindicato dos Enfermeiros pede negociação suplementar sobre valorização da carreira

Agência Lusa , CE
2 nov, 15:14
Coronavírus

À saída de uma reunião com o Ministério da Saúde, a segunda com a equipa do ministro Manuel Pizarro, o presidente Pedro Costa disse que "pouco avançaram" no processo negocial.

O Sindicato dos Enfermeiros (SE) pediu esta quarta-feira ao Governo uma “negociação suplementar” sobre valorização da carreira de enfermagem, considerando que a tutela tem “todo o benefício” em resolver rapidamente a situação para evitar uma greve.

À saída de uma reunião com o Ministério da Saúde, a segunda com a equipa do ministro Manuel Pizarro, o presidente do SE, Pedro Costa, disse à agência Lusa que “pouco avançaram” no processo negocial.

“Há uma premissa que se não for cumprida o Sindicato dos Enfermeiros não vai assinar qualquer acordo com o Governo" e que se prende com a valorização de todos os profissionais, independentemente da categoria, adiantou Pedro Costa.

Para o líder sindical, a valorização da carreira de Enfermagem só será efetiva se todos os enfermeiros virem a sua avaliação contada por inteiro.

“Achamos que não podemos prejudicar os enfermeiros que têm maior diferenciação técnica, os enfermeiros especialistas, e o Governo está sensível a este argumento”, referiu o dirigente sindical, adiantando que o SE requereu uma “negociação suplementar”, o que significa que o Governo terá que marcar uma reunião no prazo máximo de 15 dias.

“Não queremos, para já, encetar nenhuma forma de luta, porque queremos que este processo se faça de uma forma o mais célere possível”, salientou.

O SE também não quer dar “nenhum argumento” ao Ministério da Saúde para suspender de imediato as negociações.

“Queremos deixar isso para posteriormente e dar esta oportunidade. Nós temos esse direito, nomeadamente a nível sindical, da reunião suplementar”, disse Pedro Costa.

Mas, concluiu, “achamos que o Governo tem todo o benefício em rapidamente resolver essa situação e evitar formas de luta, nomeadamente a paralisação do Serviço Nacional de Saúde”.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados