Juiz restringe publicidade governamental sobre 200 anos da independência do Brasil

Agência Lusa , FMC
26 ago, 22:52
Brasil, um país dividido

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral afirmou que na promoção para as comemorações da independência há material com caráter político que viola a legislação eleitoral

 A justiça eleitoral restringiu parcialmente esta sexta-feira a campanha publicitária com a qual o governo liderado pelo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, pretende destacar as comemorações do bicentenário da independência do Brasil.

A restrição foi divulgada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes.

Segundo Moraes, na campanha que o Governo preparou para promover as comemorações da independência há material com caráter político que viola a legislação eleitoral e, portanto, vetou trechos da mensagem publicitária "que excede a informação da população acerca do bicentenário da independência, com eventual conotação eleitoral”.

Bolsonaro, que aspira a ser reeleito nas presidenciais de 2 de outubro promove há várias semanas ações do bicentenário da independência, que se comemora em 7 de setembro, com mensagens de patriotismo e exaltação da bandeira verde e amarela do Brasil, que seus apoiantes adotaram como símbolo de sua campanha.

Os ‘bolsonaristas’ usam a bandeira brasileira em contraste com as bandeiras vermelhas atribuídas aos seguidores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o favorito para vencer as eleições com 47% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro obteve o apoio de cerca de 32% dos eleitores, nas anteriores sondagens.

O chefe Estado pretende participar de desfiles nacionais e militares em 7 de setembro, tanto em Brasília quanto no Rio de Janeiro, onde convocou atos a favor de sua campanha à reeleição.

O seu Governo negociou e conseguiu obter de Portugal a transferência temporária do coração de D. Pedro IV (D. Pedro I no Brasil), que declarou a independência brasileira e foi proclamado o primeiro imperador do país.

O presidente brasileiro tem dito que vai desfilar em 7 de setembro vestido de verde e amarelo, “que são as cores da nossa bandeira”, porque os 200 anos da independência são uma data que merece ser comemorada.

A eleição presidencial no Brasil tem a primeira volta marcada para 2 de outubro e a segunda volta, caso seja necessária, no dia 30 do mesmo mês.

Ao todo, 12 candidatos disputam as presidenciais: Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Roberto Jefferson, Pablo Marçal, Eymael, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.

Relacionados

Brasil

Mais Brasil

Patrocinados