O que defende o próximo primeiro-ministro? Sete temas que resumem o debate

14 jan, 03:53
Debate Rio-Costa (Lusa/ Pedro Pina)
Debate Rio-Costa (Lusa/ Pedro Pina)

Salários, impostos, SNS ou o futuro da TAP. Os caminhos sugeridos por António Costa e Rui Rio são diferentes. Saiba o que defenderam no debate desta quinta-feira, o único que opõe os líderes dos dois maiores partidos da Assembleia da República.

  • A pandemia: Rio diz que Governo falhou, Costa acusa líder do PSD de insensibilidade
PUB
PUB

Rui Rio joga a primeira carta no debate frente a António Costa, defendendo a postura de "abrandamento" da oposição durante a pandemia. O líder do PSD afirma não estar "nada arrependido" mas diz que "o Governo falhou". Já António Costa acusa o adversário de só pensar em números, tornando-se "insensível" perante os temas centrais da vida das pessoas.

PUB
  • Os planos de governabilidade

O líder do PSD não acredita que nenhum dos dois principais candidatos a primeiro-ministro venham a conquistar uma maioria absoluta. A geringonça também não parece uma solução viável. O que fará o secretário-geral do PS em posição minoritária? Costa não tem sido "esclarecedor", argumenta Rui Rio. António Costa explica o que fará se não conseguir o que anda a pedir - uma maioria. "Se não tiver a maioria absoluta, não viro costas aos portugueses", admitindo negociações com cada partido na Assembleia da República, diploma a diploma, "como no primeiro Governo do engenheiro Guterres".

PUB
PUB
PUB
PUB
  • A solução para a economia: primeiro as empresas ou as famílias?
PUB

Rio afirma que a economia portuguesa se degradou com o PS no poder na maior parte do tempo desde 1995, e defende uma mudança de modelo que priorize a produção, e só depois distribuição. A baixa do IRC é uma das suas propostas. Por outro lado, Costa definiu a redução do IRS para as famílias já para este ano como prioridade.

  • O dilema do aumento de salários

As promessas continuam de parte a parte, desta vez no que diz respeito ao salário mínimo. O líder do PSD promete aumentos que "terão em conta a inflação e os ganhos de produtividade", mas não o fará por decreto. António Costa usa um gráfico para reforçar a importância do aumento do salário mínimo e médio nos próximos quatro anos. 

  • O que fazer com o Serviço Nacional de Saúde?

António Costa critica a proposta de revisão constitucional de Rui Rio, acusando-o de querer mudar o acesso "tendencialmente gratuito" à saúde. O líder do PSD garante ser um defensor de um Serviço Nacional de Saúde público, mas acrescenta que não tem "tabus ideológicos": os "negócios" na saúde são para se concretizar entre o sector público e privado e ambos podem sair a ganhar. 

PUB
PUB
PUB
  • As falhas na Justiça em Portugal

António Costa aponta duas medidas do programa do PSD que considera "muitíssimo perigosas": poder político com maioria no Conselho Superior do Ministério Público e a criação de um provedor do utente. Na opinião do primeiro-ministro, põem em causa a garantia de que a Justiça "não é sujeita ao controlo do poder político". Já Rui Rio faz um diagnóstico da capacidade da Justiça demolidor: "é fraquíssima" e não tem sido capaz de combater a corrupção.

  • O futuro da TAP

Foi o momento do debate em que Rui Rio se exaltou. O social-democrata não considera "aceitável" os valores que o Estado tem gasto na empresa e aponta a venda da companhia como o único cenário possível, "mas não é amanhã". António Costa defende a nacionalização e o investimento. "Foi graças ao Estado e ao Grupo Barraqueiro que foi possível salvar a TAP", sublinhou. 

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados