“Temperatura média global excedeu temporariamente o limite de 1,5ºC”. Mês de julho terá sido o mais quente de sempre

Agência Lusa , DCT
27 jul 2023, 14:40
Temperaturas elevadas (AP Photo/Hassan Ammar, File)

A Organização Meteorológica Mundial estima em 98% a probabilidade de que pelo menos um dos próximos cinco anos seja o mais quente já registado e em 66% a probabilidade de ultrapassar temporariamente os 1,5 ºC acima da média verificada em 1850-1900

O mês de julho de 2023 deverá ser o mês mais quente alguma vez registado, depois de junho também ter batido recordes de calor, anunciou esta quinta-feira o serviço europeu Copernicus.

“As três primeiras semanas de julho foram o período de 15 dias mais quente já registado e o mês está prestes de ser o julho mais quente já assinalado”, adiantou em comunicado serviço europeu Copernicus sobre alterações climáticas (C3S, na sigla em inglês).

De acordo com o C3S, as temperaturas altas estão relacionadas com as ondas de calor na América do Norte, Ásia e Europa, que, em conjunto com os incêndios florestais em países como Canadá e Grécia, tiveram grandes impactos na saúde das pessoas, no ambiente e na economia.

“A temperatura média global excedeu temporariamente o limite de 1,5ºC acima do nível pré-industrial durante a primeira e a terceira semana do mês (dentro do erro de observação)”, salientou.

Em 06 de julho, a média diária da temperatura média global do ar na superfície ultrapassou o recorde estabelecido em agosto de 2016, tornando-se o dia mais quente já registado, seguido dos dias 5 e 7 do mesmo mês.

Até este ano, o mês de julho mais quente tinha sido o de 2019.

“As temperaturas recordes fazem parte da tendência de subidas drásticas nas temperaturas globais”, disse o diretor do C3S, Carlo Buontempo.

Carlo Buontempo lembrou que “é improvável que o recorde de julho permaneça isolado este ano”.

“As previsões sazonais do C3S indicam que as temperaturas nas áreas terrestres provavelmente estarão bem acima da média, excedendo o 80.º percentil da climatologia para a época do ano”, acrescentou.

Por seu turno, o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Petteri Taalas, observou que “a necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa é mais urgente do que nunca”.

“O clima extremo que afetou muitos milhões de pessoas em julho é, infelizmente, a dura realidade das alterações climáticas e uma amostra do futuro”, realçou.

A OMM estima em 98% a probabilidade de que pelo menos um dos próximos cinco anos seja o mais quente já registado e em 66% a probabilidade de ultrapassar temporariamente os 1,5 ºC acima da média verificada em 1850-1900.

Na semana passada, o climatologista chefe da agência espacial norte-americana (Nasa), Gavin Schmidt, também já havia dito que julho estava em vias de bater o recorde do mês mais quente alguma vez registado, não só desde que há registos, mas também em “centenas, se não milhares de anos”.

Schmidt disse que a situação não se deve apenas ao El Niño, o fenómeno climático cíclico que tem origem no Oceano Pacífico e que conduz a um aumento das temperaturas globais, mas porque se continua “a emitir gases com efeito de estufa para a atmosfera”.

Relacionados

Clima

Mais Clima

Mais Lidas

Patrocinados