É "crime público" agressão a jornalista do Expresso em evento com André Ventura na Universidade Católica

Agência Lusa , AM
17 jan, 11:21
Universidade Católica Portuguesa

 

 

Direção do jornal está a ponderar queixas à PSP e à Entidade Reguladora para a Comunicação Social

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) condena a agressão, afirmando tratar-se de um crime público, "cometido à vista de muita gente, que tem de ser investigado e punido exemplarmente”. O SJ repudiou o “atentado contra a liberdade de imprensa e contra a integridade física” de um jornalista em funções, lembrando que a agressão a estes profissionais é crime público desde 2018.

Numa nota emitida na terça-feira à noite, o SJ exorta ainda as autoridades a agirem “com a celeridade que um atentado destes exige”, pede uma punição exemplar para os agressores, acrescentando que vai questionar a UCP sobre as medidas que tomou para evitar este tipo de comportamento dentro das suas instalações.

O sindicato diz igualmente que vai perguntar a André Ventura se o partido que lidera se revê nestas atitudes e nas “insinuações intimidatórias do segurança do partido”.

A Universidade Católica repudiou qualquer tentativa de limitação do direito à informação e intimidação de jornalistas, depois de um destes profissionais ter denunciado que foi agredido terça-feira num evento na instituição com o líder do Chega.

Em comunicado divulgado na terça-feira à noite, a Universidade Católica Portuguesa (UCP) rejeita igualmente a “manipulação deliberada das normas de acesso ao evento pelo partido convidado [Chega]”, explicando que o evento é organizado por estudantes com o objetivo de esclarecer as propostas para o país sob a forma de um debate livre e não uma organização dos partidos".

Na terça-feira, o Expresso noticiou que um jornalista seu foi agredido num evento com o líder do Chega na Universidade Católica, em Lisboa, mas a organização negou, admitindo apenas que o profissional “foi removido” da sala.

"A UCP repudia qualquer tentativa de limitação do direito à informação e intimidação de jornalistas e lamenta profundamente a situação criada durante o terceiro debate do ciclo de Conversas com líderes de partidos com representação parlamentar, organizado pelas associações de estudantes", acrescenta a nota.

O caso ocorreu num evento organizado pela Associação Académica do Instituto de Estudos Políticos e pela Associação Académica de Direito da UCP intitulado “Conversas Parlamentares”, no qual participou o presidente do Chega, André Ventura, no âmbito de um ciclo de palestras para o qual foram convidados vários líderes partidários.

Na nota divulgada, a UCP reafirma a importância do debate esclarecido para o reforço da democracia, “da qual faz parte intrínseca a defesa de uma imprensa livre, independente e bem formada”.

Segundo uma notícia divulgada pelo Expresso, a entrada do jornalista “foi autorizada por duas jovens junto à porta principal do auditório e era do conhecimento prévio da assessoria de imprensa do Chega”.

O jornalista conta que conseguiu presenciar os primeiros 10 minutos da intervenção de André Ventura, até ter sido abordado várias vezes por jovens dizendo-lhe que não podia estar no auditório.

De acordo com o relato publicado pelo Expresso, “dois dos jovens prenderam os movimentos do jornalista, agarrando-o pelos pés e pelos braços, forçando a sua saída do evento – deixando todo o equipamento de trabalho na sala, incluindo o computador profissional”, que foi devolvido “após intervenção de um dos assessores de André Ventura”.

De acordo com o semanário, o jornalista diz ainda ter sido abordado “de forma agressiva” pelo segurança pessoal de André Ventura.

À Lusa, o diretor do Expresso, João Vieira Pereira, adiantou que o jornal está a ponderar apresentar queixas à PSP e à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC).

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados