Ataque a centro de migrantes no sul de Inglaterra classificado como “ato terrorista”

Agência Lusa , DCT
5 nov, 12:32
Ataque em Dover

Dois agentes ficaram levemente feridos e 700 migrantes tiveram de ser escoltados temporariamente para outro local

O ataque com engenhos incendiários a um centro de acolhimento de migrantes em Dover, no sul de Inglaterra, no domingo, foi classificado de “ato terrorista”, disse este sábado a polícia britânica encarregada da investigação.

“Tendo analisado as provas recolhidas até agora, e embora haja fortes evidências que indicam que a saúde mental [do suspeito] é certamente um fator, estou convencido de que as ações do suspeito foram motivadas, sobretudo, pelo extremismo ideológico, o que corresponde à definição de ato terrorista ”, disse o oficial da polícia antiterrorista britânica, Tim Jacques, em comunicado enviado à comunicação social.

No passado domingo, por volta das 11:20 (mesma hora em Lisboa), vários dispositivos incendiários foram lançados num centro de acolhimento de migrantes, em Dover, no sul de Inglaterra.

O suspeito tinha chegado sozinho de carro, antes de lançar os engenhos.

Dois agentes ficaram levemente feridos e 700 migrantes tiveram de ser escoltados temporariamente para outro local.

O ataque ocorreu numa altura em que o Reino Unido regista um número ‘recorde’ de chegadas de migrantes à costa sul do país, em pequenos barcos, tendo quase 40.000 migrantes já feito a perigosa travessia do Canal da Mancha, desde o início do ano, muito mais do que em 2021.

O suspeito, Andrew Leak, um homem de 66 anos que vive em High Wycombe, a noroeste de Londres, foi encontrado morto no carro logo após o ataque.

Os elementos da investigação recolhidos até agora “sugerem que houve uma motivação de extrema-direita por trás deste ataque”, explicou a polícia antiterrorista, na nota hoje enviada.

“Atualmente, não há nada que sugira que o homem envolvido tenha trabalhado com outras pessoas e nada que sugira a existência de uma ameaça mais ampla”, especificou ainda a polícia.

Este sábado, vários detidos causaram distúrbios num centro de detenção de migrantes, no oeste de Londres, durante um corte de energia, disse o Ministério da Administração Interna.

“Houve um corte de energia no centro de detenção de migrantes Harmondsworth, localizado perto do aeroporto de Heathrow, em Londres. A questão está a ser resolvida. Estamos cientes da interrupção no centro e as autoridades envolvidas foram notificadas e estão no local”, indicou o Ministério.

Segundo a AFP, os detidos saíram dos quartos para o pátio, na posse de várias armas, avançam vários meios de comunicação locais, que especificam que nenhum detido fugiu das instalações e que ninguém ficou ferido.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados