Presidente da Câmara do Funchal renuncia ao mandato

RA e MM, com Lusa (atualizado às 19:01)
27 jan, 13:16

Pedro calado foi detido no âmbito de um escândalo de corrupção que abalou o Governo Regional da Madeira e levou mesmo já à renúncia de Miguel Albuqueque como presidente do Governo Regional

O Presidente da Câmara do Funchal, Pedro Calado, renunciou ao mandato este sábado, apurou a CNN Portugal junto de fontes da autarquia. Uma renúncia que acontece antes mesmo de ser ouvido pelas autoridades judiciais no âmbito de um escândalo de corrupção que abalou o Governo Regional da Madeira e levou mesmo já à renúncia de Miguel Albuqueque como presidente do Governo Regional. Com esta decisão, afasta, aliás, um dos pressupostos para aplicação de medidas de coação graves, que é o perigo de continuação de atividade criminosa

Pedro Calado foi detido no âmbito de uma operação desencadeada na última quarta-feira e da qual resultou também a detenção do líder do grupo AFA e do diretor executivo do grupo Socicorreia, Custódio Correia, que é também sócio de Avelino Farinha em várias empresas. Os três devem começar a ser ouvidos este sábado, podendo as inquirições continuar na segunda-feira. Só depois dos interrogatórios devem ser conhecidas as medidas de coação. 

A Polícia Judiciária terá encontrado 20 mil euros em casa de Pedro Calado e 10 mil euros em casa da sua mãe, que as autoridades acreditam tenha recebido quantias em dinheiro, que depois terá transferido para contas do filho. Além destes 30 mil euros, a investigação procura também explicações para a origem de 67 mil euros em depósitos em numerário feitos em contas do presidente da Câmara do Funchal.

O caso surgiu na sequência de denúncias anónimas, acerca de um potencial favorecimento na contratação pública regional, envolvendo o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, o autarca do Funchal e o líder do grupo empresarial AFA, Avelino Farinha.

Vereadores da Câmara do Funchal ainda não receberam pedido de renúncia

Apesar do pedido de renuncia já ter sido confirmado, ao final da tarde deste sábado, os vereadores do PSD/CDS da Câmara do Funchal afirmaram que, até ao momento, não receberam o pedido oficial de renúncia do presidente do município, o social-democrata Pedro Calado, detido no âmbito da investigação policial de corrupção na Madeira.

“Até este momento, não deu entrada nos serviços da CMF [Câmara Municipal do Funchal] nenhum pedido oficial de renúncia por parte do dr. Pedro Calado”, dizem os cinco vereadores do PSD/CDS numa informação enviada à agência Lusa.

Na mesma nota, assinada por Cristina Pedra, Bruno Pereira, João Rodrigues, Nádia Coelho e Helena Leal, os vereadores com pelouro na autarquia funchalense, acrescentam que “caso este [pedido de renúncia] se venha a efetivar, o executivo da Câmara Municipal do Funchal tomará as decisões necessárias para a manutenção do regular funcionamento da instituição”.

Também dizem pretender “até lá tranquilizar os funchalenses”, assegurando que “a vereação continua a desempenhar as suas funções com absoluta normalidade institucional”.

Os vereadores da maioria no principal município da Madeira apontam que todos os departamentos da autarquia “estão a funcionar regularmente, da mesma forma que todos os serviços prestados aos munícipes continuam ativos e vão-se manter sem qualquer tipo de perturbação”.

Relacionados

Mais Lidas

Patrocinados