Os bastidores e as razões da «pior fase» de Abel Ferreira no Brasil

22 out 2023, 01:12
Abel Ferreira

Campeão de oito troféus do outro lado do Oceano Atlântico, técnico português não vence com o Palmeiras há seis jogos e começa a ser contestado pelos adeptos, que, entretanto, ainda colocam a presidente Leila Pereira como maior culpada pelo recente insucesso

«Estamos na pior fase desde que chegamos ao Palmeiras».

A impactante frase do adjunto Vitor Castanheira define na perfeição o delicado momento de Abel Ferreira no futebol brasileiro. São seis jogos consecutivos sem vencer: dois empates e quatro derrotas. Neste período, o técnico português foi eliminado pelos argentinos do Boca Juniors nas meias de final da Taça Libertadores.

A última vitória do Verdão aconteceu a 15 de setembro, contra o Goiás, pelo Campeonato Brasileiro. Desde então, os tropeços têm dividido espaço com duras críticas da Imprensa e constantes cobranças dos adeptos, dentro e fora do Allianz Parque, especialmente com foco na presidente Leila Pereira.

Internamente, segundo apurou o Maisfutebol, a justificação para os resultados ruins está na queda para o Boca. Membros da equipa técnica acreditam que a saída da competição sul-americana, na decisão por pénaltis, abalou a confiança do grupo alviverde.

Na atual temporada, o Palmeiras conquistou o Campeonato Paulista e a Supertaça do Brasil. Ainda assim, a insatisfação tomou conta do ambiente do emblema de São Paulo. Hoje, por exemplo, a equipa tem 14 pontos de desvantagem para o líder Botafogo no Campeonato Brasileiro. O título então é improvável.

Dentro de campo, algumas questões explicam a drástica queda de rendimento dos comandados de Abel: a revolta inicial do central e capitão Gustavo Gómez, que queria ter sido negociado com o futebol da Arábia Saudita (foi alvo de Al Nassr e Al-Ittihad), a grave lesão do avançado e líder Dudu, a falta de criatividade no meio-campo e, não menos importante, a ausência de um goleador.

Já vendido para o Real Madrid, o jovem Endrick, de 17 anos, ainda não vingou. Tem somente oito golos em 43 jogos em 2023. Contratado a peso ouro, por aproximadamente dez milhões de dólares, o argentino José Manuel López, mais conhecido como Flaco López, também está em baixa. É reserva com frequência, tendo balançado a rede em apenas cinco oportunidades.

Dono de oito títulos no Palmeiras, com destaque para duas edições da Taça Libertadores (2020 e 2021), Abel Ferreira, cujo contrato termina em dezembro de 2024, aos poucos começa a ser contestado. Os insatisfeitos têm cobrado uma reformulação do plantel e o melhor aproveitamento dos jogadores da formação.

Apesar do desagrado com o técnico português, os adeptos do Verdão, por enquanto, colocam a maior parcela de culpa na conta de Leila Pereira. A presidente e também patrocinadora do clube não investiu em grandes reforços na última janela de transferências e, para piorar, entrou em rota de colisão ao fazer recentemente uma conferência recheada de polémicas.

«Ô, Leila, incompetente, pegou o Palmeiras para brincar de presidente» e «Ô, Leila, preste atenção, muito respeito com a história do Verdão» foram alguns dos cânticos dos adeptos, no último jogo, em casa, na derrota por 2-0 para o Atlético Mineiro.

Na midiática entrevista concedida a 12 de outubro, entre outros pontos de discórdia, Leila afirmou que o Palmeiras dependia dela - não fosse a sua liderança, o clube estaria hoje novamente na segunda divisão do futebol brasileiro. A afirmação foi vista por muitos como desrespeitosa e afrontosa.

Para 2024, Abel Ferreira, que chegou ao Palmeiras em 2020, tem a promessa da Direção de pelo menos cinco reforços de peso. Um dos principais alvos no mercado é o avançado Bruno Henrique, que ainda não renovou contrato com o Flamengo. Leila Pereira, por sua vez, também sabe que precisa investir, visto que a próxima eleição presencial acontece também no próximo ano.

Relacionados

Brasil

Mais Brasil

Patrocinados