Ex-presidente interina da Bolívia Jeanine Áñez condenada a 10 anos de prisão

Agência Lusa , DCT
11 jun, 08:26
Janine Áñez (AP Photo/Juan Karita)

A também advogada sucedeu a Morales dois dias após a sua demissão, num contexto de forte agitação social

A ex-presidente interina da Bolívia Jeanine Áñez foi condenada na sexta-feira a 10 anos de prisão por liderar um golpe de Estado, em 2019, contra o então líder Evo Morales, anunciou um tribunal da capital.

O Tribunal de Primeira Instância de La Paz determinou que Áñez, de 54 anos cumpra a pena na prisão feminina de Miraflores, onde se encontra detida preventivamente há mais de um ano, revelou a agência de notícias espanhola EFE.

O julgamento realizou-se maioritariamente por videoconferência, a partir da prisão, como medida preventiva contra a pandemia. Apesar dos insistentes pedidos da defesa para que a antiga responsável participasse pessoalmente nas audiências, mais tarde, as autoridades argumentaram que havia "risco de fuga".

Jeanine Áñez, detida a 13 de março de 2021, foi julgada por ações enquanto senadora, ainda antes de assumir a presidência interina a 12 de Novembro de 2019. Estava acusada de assumir a liderança boliviana de forma inconstitucional, após a renúncia de Evo Morales, que esteve à frente dos destinos do país ao longo de 14 anos.

A também advogada sucedeu a Morales dois dias após a sua demissão, num contexto de forte agitação social.

Os opositores acusaram Morales de cometer fraude nas eleições de outubro de 2019, a fim de garantir um quarto mandato consecutivo até 2025.

"Não foi um governo fácil, porque eu tinha o Governo, mas nunca tive poder, tive bloqueios na assembleia legislativa, por isso foi simplesmente um Governo de transição", disse Áñez durante o julgamento.

A antiga responsável acusou ainda o tribunal de excluir provas que iriam refutar que tivesse derrubado o ex-Presidente.

Jeanine Añez declarou ainda que não tinha a ambição de assumir a presidência e que apenas cumpriu o seu dever.

"Nunca procurei o poder", disse durante as sessões, anunciando que recorreria de qualquer condenação: "Não vamos ficar por aqui, vamos à justiça internacional".

A "única pessoa ambiciosa" era o ex-presidente Evo Morales "que não respeitou a Constituição" desde 2016, quando ignorou os resultados de um referendo que lhe negavam um quarto mandato consecutivo, referiu, ainda segundo a EFE.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados