Crianças vítimas de crime e violência apoiadas pela APAV aumentam 32% em 2022

Agência Lusa , BC
1 jun, 08:30
Criança

Fim do confinamento permitiu às crianças voltarem aos seus contextos habituais, com maior supervisão de pessoas adultas, o que poderá justificar o aumento do número de pedidos de ajuda

Quase 2.600 crianças e jovens vítimas de crime e violência foram apoiados em 2022 pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), mais 32% do que no ano anterior, disse esta quinta-feira à Lusa fonte da instituição.

Dados do estudo “Crianças e Jovens Vítimas de Crime e de Violência – Estatísticas 2022”, a que a agência Lusa teve acesso, revelam que, das 2.595 crianças e jovens vítimas de crime e de violência apoiadas em 2022 pela APAV, cerca de 60% (1.560) eram raparigas e 38,9% (1.007) rapazes.

Carla Ferreira, assessora técnica da direção da APAV, destacou que muitas destas 2.595 crianças foram vítimas de vários tipos de violência diferentes, ou seja, o número de crimes cometidos contra os menores de idade é mais elevado do que o número das vítimas apoiadas pela APAV no ano passado.

“Temos mais crimes do que crianças vítimas, o que significa que há crianças que são vítimas de várias situações de violência diferentes, o que também é importante destacar. (…). A violência doméstica pode levar-nos para situações de violência física, psicológica, mas também, por exemplo, situações de violência sexual, assim como o ‘bullying’”, explicou a especialista.

Entre os fatores que contribuíram para aumentar o número de pedidos de ajuda esteve o maior número de pedidos de ajuda à APAV para situações reportadas na linha Internet Segura, assim como o desconfinamento, que permitiu às crianças e jovens regressarem ao seu contexto habitual, de frequência escolar, com uma maior supervisão de outras pessoas adultas, o que ajudou a “uma maior desocultação das situações”, acrescentou Carla Ferreira.

“As crianças [estiveram] num contexto em que se sentem mais confortáveis para poder revelar situações violentas (…), ao contrário daquilo que aconteceu em 2021 e em 2020, em que tivemos largos períodos de confinamento. Em 2022, isso já não se verificou”.

Questionada pela Lusa sobre se as notícias sobre abusos sexuais na Igreja podem ter encorajado as pessoas a fazerem mais denúncias, Carla Ferreira admitiu que esse fator pode ter levado a “uma maior consciencialização da importância de estas situações serem desocultadas”.

“Acredito que isso também possa ter [contribuído] para as pessoas dizerem ‘não, eu sei de uma situação, não vou ficar com isto para mim, vou desocultar esta situação, vou pedir ajuda’”, disse, admitindo que o caso tenha tido influência “como um movimento mais global, (…) empoderando muitas mais pessoas a fazerem esses pedidas de ajuda ou denúncias”.

Sobre o facto de mais de metade das crianças e jovens vítimas (60%) serem do sexo feminino, Carla Ferreira explicou que, “regra geral”, há sempre mais meninas a serem vítimas num maior número de situações, por terem uma maior vulnerabilidade associada e por estarem mais capazes de denunciar, “tanto na violência doméstica, como na violência sexual, como nas situações, por exemplo, de bullying".

A especialista explicou que a vulnerabilidade das meninas leva a uma maior tendência para reportar as situações, ao contrário dos rapazes, em que há “uma maior necessidade de ocultar as situações”.

A especialista da APAV confirma “com certeza absoluta” que há muito mais situações - por exemplo, de ‘bullying’, de violência sexual e de violência doméstica - praticadas contra rapazes que não são reportadas.

“Isso já foi mais do que estudado e mais do que esmiuçado. Também tem a ver com aquilo que são os modelos societários e aquilo que é permitido, entre aspas, reportar. E aquilo que não se deve reportar e que deve ser resolvido em autogestão, digamos assim”.

Os dados do recente estudo da APAV indicam que mais de metade das crianças e jovens vítimas 55,3% (1.434 casos) tinham entre os 11 e os 17 anos de idade, dando uma média de idade de 10 anos.

Haver mais casos de vítimas entre os 11 e 17 anos explica-se com a capacidade que a própria criança e ou jovem tem, ou não tem, de identificar uma situação de violência e conseguir verbalizá-la, fazendo o pedido de ajuda a pessoas que valorizem o pedido.

As crianças de quatro a cinco anos e os bebés têm mais dificuldade em verbalizar e identificar situações de violência, por isso os números de casos diminuem, o que não significa que não exista crime e violência contra essas crianças menores, justificou.

A segunda faixa etária em que se registaram mais casos de crime e/ou violência é entre os seis e os 10 anos de idade (25,7%), seguida dos zero aos três anos (11,7%), e depois entre os quatro aos cinco anos (7,3%).

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados