Biden prolonga estado de emergência nos EUA ainda devido aos atentados de 2001

Agência Lusa , BC
8 set 2023, 09:19
Joe Biden (Susan Walsh/ AP)

Presidente dos EUA diz que os ataques que tiveram como alvo Nova Iorque, Pensilvânia e o Pentágono provocaram uma crise que continua a constituir uma ameaça “contínua e imediata”

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prorrogou por um ano o estado de emergência nacional contra o terrorismo, na sequência dos atentados de 11 de setembro de 2001, que ocorreram há quase 22 anos.

Biden explicou, num comunicado, que os ataques que tiveram como alvo Nova Iorque, Pensilvânia e o Pentágono provocaram uma crise que continua a constituir uma ameaça “contínua e imediata” contra o país.

“Mantenho em vigor por mais um ano a emergência nacional declarada em 14 de setembro de 2001 com relação à ameaça terrorista”, disse Biden no comunicado, segundo a agência espanhola Europa Press.

Os ataques de 11 de setembro de 2001 provocaram cerca de três mil mortos e mais de seis mil feridos.

Foram levados a cabo por 19 operacionais da rede terrorista Al-Qaeda, liderada por Osama bin Laden.

Os terroristas usaram quatro aviões comerciais com passageiros para atacar as Torres Gémeas de Manhattan, em Nova Iorque, e o Pentágono, a sede do Departamento de Defesa situada em Arlington, Virgínia, perto de Washington.

O quarto avião, que teria por destino o Capitólio, sede do Congresso, despenhou-se perto de Shanksville, na Pensilvânia.

Na sequência dos atentados, os Estados Unidos invadiram o Afeganistão por o governo talibã se recusar a entregar Bin Laden.

A invasão resultou no derrube do regime e numa ocupação do país por uma força internacional que terminou 20 anos depois, em 2021, com o regresso dos talibãs ao poder.

No contexto da guerra global contra o terrorismo declarada pelos Estados Unidos, o Iraque foi invadido em 2003, do que resultou o derrube do regime de Saddam Hussein e uma guerra que durou até 2011.

Centenas de suspeitos foram detidos em dezenas de países e transferidos para a base naval norte-americana de Guantánamo, em Cuba, que foi transformada numa prisão, com denúncias de casos de tortura de prisioneiros.

Bin Laden, que reconheceu o envolvimento pessoal e da Al-Qaeda nos ataques, foi morto por forças especiais norte-americanas no Paquistão em maio de 2011.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados