Um "adversário duro" e uma "pessoa extremamente gentil". Quem é o sniper de elite russo morto na Ucrânia

2 jun, 18:00
Alexander Kislinsky

Alexander Kislinsky era um dos melhores atiradores do exército russo e morreu em combate na região de Donetsk. Na terra-natal já é considerado um "herói" e "um guerreiro" digno de "memória eterna"

As forças armadas da Ucrânia abateram um dos melhores snipers do exército da Rússia, adiantaram fontes pró-russas, citadas pela Newsweek esta terça-feira. Trata-se de Alexander Kislinsky, um atirador da 22ª Brigada Spetsnaz da GRU/GU.

A morte do militar foi inicialmente relatada a 24 de maio por vários canais russos no Telegram e na VK - a rede social russa semelhante ao Facebook. Segundo as informações divulgadas, o atirador morreu em combate na região de Donetsk.

Os relatos pró-russos, citados pela mesma publicação, caracterizaram o atirador de elite morto na Ucrânia como um "herói" e "um guerreiro" digno de "memória eterna". Na mesma altura também circulou uma imagem do funeral de Kislinsky nas redes sociais, indicando que o corpo foi extraditado para a Rússia.

Imagem do funeral de Alexander Kislinsky divulgada na rede social VK

Uma página das Unidades Especiais da Rússia (SPR) confirmou, entretanto, que Alexander Kislinsky foi enterrado na "sua pequena terra-natal". 

"Ele morreu não apenas na luta contra o nazismo, morreu a defender o povo russo e a terra russa", refere a publicação. 

Estas forças afirmaram ainda que o atirador se tornou "uma unidade de combate muito eficaz" durante a guerra na Ucrânia, "causando danos significativos ao inimigo" e acrescentou que, embora Kislinsky fosse um "adversário duro" do inimigo ucraniano, era uma "pessoa extremamente gentil e simpática".

Um vídeo partilhado pela mesma conta mostra o atirador à frente de um tanque russo com o símbolo pró-guerra “Z”. "O meu avô não acabou com os nazis, mas nós vamos. Estiveram escondidos nas florestas todo este tempo, mas agora saíram e vamos enviá-los de volta, com a nossa tecnologia moderna, vamos acabar com eles todos", afirma Alexander Kislinsky, no vídeo. De acordo com a Newsweek, os avós de Kislinsky lutaram durante a Segunda Guerra Mundial.

Já em meados de maio, um vídeo publicado em plataformas russas e partilhado pelo investigador Rob Lee no Twitter mostra snipers russos, provavelmente da mesma brigada de Kislinsky, em Pinsky, uma vila ucraniana em Donetsk.

Até hoje, as forças armadas ucranianas afirmam que cerca de 30.500 soldados russos foram mortos na Ucrânia desde o início da guerra em fevereiro. O Kremlin até agora só admitiu a perda de cerca de 1.500 soldados.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados