Condenado a 20 anos de prisão por matar ex-mulher com machado em Arouca

17 nov, 10:55
Justiça
Justiça

Juíza do Tribunal da Feira considerou que o arguido não demonstrou "arrependimento sincero"

PUB

O Tribunal da Feira condenou a 20 anos de prisão um homem de 55 anos acusado do homicídio da ex-mulher com um machado, em 2020, no concelho de Arouca, Aveiro.

Durante a leitura do acórdão, nesta quarta-feira, a juíza presidente disse que o tribunal deu como provado os factos da acusação “praticamente na integra”.

PUB

A juíza notou ainda que o arguido, que agiu por ciúmes, não demonstrou um "arrependimento sincero", tento tentado imputar a sua ação à vítima.

Além da pena de prisão, o arguido terá de pagar 130 mil euros de indemnização aos filhos.

Durante o julgamento, o arguido confessou ter atirado um machado contra a esposa, mas disse que não tinha intenção de a matar.

Perdi a cabeça. Estava tresloucado. Tinha o machado na mão e mandei", afirmou o homem, adiantando que se sentiu “humilhado” pelo facto de a mulher lhe ter chamado nomes, após uma discussão.

O arguido negou ainda ter agredido a mulher em diversas situações ocorridas anteriormente, como refere a acusação do Ministério Público (MP), afirmando que ele é que era agredido e que apenas se defendia.

PUB
PUB
PUB

O crime ocorreu em 20 de dezembro de 2020, numa altura em que o arguido e a vítima, que estavam emigrados em França, já se encontravam separados, vivendo em casas diferentes.

Vítima já tinha apresentado queixa por violência doméstica

Segundo a acusação do MP, o casal de emigrantes decidiu passar o Natal em Portugal na companhia dos filhos, ficando ambos alojados na sua residência em Arouca.

O MP refere que, após uma discussão com a ofendida, por pensar que aquela mantinha relacionamentos extraconjugais, o arguido foi buscar um machado ao exterior da habitação e desferiu-lhe um golpe na cabeça.

De seguida, fugiu do local no seu carro, mas despistou-se, tendo-se dirigido a pé até casa de uma irmã a quem contou o sucedido, pedindo para ela chamar a GNR.

A vítima foi transportada em estado grave para o Hospital Santos Silva, em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, tendo acabado por morrer a 1 de janeiro de 2021, na sequência dos ferimentos.

Antes deste episódio, o homem, que se encontra em prisão preventiva, já teria agredido várias vezes a mulher, que chegou a apresentar uma queixa em agosto de 2020, tendo sido proferido um despacho de acusação imputando ao arguido a prática de um crime de violência doméstica.

PUB
PUB
PUB

Durante as discussões, que segundo o MP ocorriam frequentemente, o arguido partia objetos, agredia a ofendida com murros, pontapés e empurrões, tendo chegado a tentar asfixiá-la com uma almofada e apertado o pescoço com as mãos.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça