Proteção Civil assume “constrangimentos pontuais” na rede SIRESP. PSD vê falhas com "enorme preocupação"

CNN Portugal , PF com Lusa
29 jul, 17:40
Incêndio em Alvaiázere (Nuno André Ferreira/ Lusa)

ANEPC afirma também que a rede esteve sempre operacional. Contudo, testemunhos ouvidos pela Rádio Renascença contrariam essa informação

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANEPC) admitiu à Rádio Renascença que a rede SIRESP foi afetada por “constrangimentos pontuais” derivados de “uma sobrecarga da rede devido a uma deficiente utilização da mesma” aquando dos incêndios no distrito de Leiria, há cerca de duas semanas.

O esclarecimento da Proteção Civil surge após a mesma rádio ter revelado, de acordo com vários testemunhos, que os bombeiros foram obrigados a recorrer a serviços alternativos, como o email e o rádio.

A ANEPC esclarece que, dado o elevado número de operacionais no terreno a combater os incêndios naquele distrito e potenciais constrangimentos daí resultantes, colocou um veículo repetidor de sinal em Leiria, tendo sido ativado “logo que as dificuldades foram reportadas pelos operacionais”.

A Proteção Civil adianta também à Renascença que os constrangimentos foram “colmatados de imediato, em estreita articulação com o Centro de Operações e Gestão da SIRESP”, e que “em nenhum momento” a rede SIRESP não esteve operacional, sublinhando que se tratou apenas de “situações de atrasos de poucos segundos na entrada” de comunicações.

No entanto, os testemunhos ouvidos pela rádio contrariam a versão da ANEPC. O comandante dos Bombeiros Voluntários de Ourém, Guilherme Isidro, afirmou ter experienciado “um período de uma hora em que de facto ficámos 'às escuras'”.

PSD apela ao Governo que assegure funcionamento do SIRESP    

Em reação a esta notícia, o PSD apelou esta sexta-feira ao Governo que “salvaguarde o melhor funcionamento” da rede SIRESP. Em comunicado, a vice-presidente da bancada social-democrata Andreia Neto considerou que as “falhas contínuas” do SIRESP durante os incêndios em Leiria são de “enorme preocupação” e apelou ao executivo socialista “que acautele e garanta o funcionamento devido desta rede de comunicações”.

“Perante a insegurança dos meios que têm ao seu dispor, só podemos manifestar toda a solidariedade com os bombeiros e lembrar que compete ao Estado acautelar e garantir que o SIRESP seja eficaz”, completou a deputada Andreia Neto.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados