Acolhimento de refugiados em Setúbal: Inspeção-Geral das Finanças encontra indícios de crime

CNN Portugal , DCT
19 ago, 09:00
Sombras com bandeira ucraniana (Andreea Alexandru / AP Photo)

REVISTA DE IMPRENSA - Se o Ministério Público der seguimento à investigação, tanto o ex como o atual autarca de Setúbal podem ser envolvidos no caso

Dos dois relatórios levados a cabo pela Inspeção-Geral das Finanças (IGF) sobre o acolhimento de refugiados ucranianos em Setúbal, um deles foi enviado diretamente para o Ministério Público devido à existência de indícios de crime, estando agora sob investigação criminal e segredo de justiça.

De acordo com a edição desta semana do Expresso, em causa está suspeita de dois crimes: um diz respeito à possibilidade de violação da Lei de Proteção de Dados Pessoais e o outro a um eventual abuso de poder por parte da Câmara de Setúbal, que há anos mantinha um contrato por ajuste direto com a Associação de Imigrantes dos Países de Leste (Edinstvo).

Deste modo, se o Ministério Público der seguimento à investigação, tanto o ex como o atual autarca de Setúbal, assim como o casal de russos da Edinstvo, podem ser envolvidos no caso.

Apesar de estar ainda a decorrer um inquérito judicial por parte do Ministério Público, o inquérito da Inspecção-Geral de Finanças - Autoridade de Auditoria (IGF-AA) ao acolhimento de refugiados ucranianos em Setúbal foi arquivado e a decisão já foi homologada pela ministra da Coesão Territorial.

A 2 de maio, o ministério da Coesão Territorial dava conta que o caso da receção de refugiados ucranianos na Câmara de Setúbal por alegados defensores do regime russo tinha sido enviado para a Inspeção Geral das Finanças, a quem competem os “inquéritos e sindicâncias”.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados