Como uma menina ucraniana de 12 anos foi recrutada para a guerra de informação de Moscovo

CNN , Phil Black, Sandi Sidhu e Ivana Kottasová
17 abr, 16:50

Ferida, sozinha e destinada a um orfanato russo. “Quero chorar'”, diz a menina ucraniana ao telemóvel

Antes do início da invasão da Ucrânia pela Rússia, Kira Obedinsky era uma menina de 12 anos alegre e amada. Agora, órfã, ferida e sozinha num hospital controlado pelos russos no leste da Ucrânia, ela tornou-se um peão involuntário na guerra de informações de Moscovo.

A mãe de Obedinsky morreu quando ela era bebé. O seu pai, Yevhen Obedinsky, ex-capitão da equipa nacional de pólo aquático da Ucrânia, foi baleado e morto quando as forças russas abriram caminho para a cidade de Mariupol, no sudeste do país, em 17 de março.

Dias depois, Kira e a namorada do seu pai tentaram fugir da cidade a pé, ao lado de vizinhos. Mas depois de ser ferida na explosão de uma mina terrestre, Kira foi levada para um hospital na região de Donetsk, que é controlada por separatistas apoiados por Moscovo.

Agora, o avô de Kira, Oleksander, receia nunca mais vê-la. Ele contou que um funcionário do governo dissidente em Donetsk lhe telefonou e convidou a viajar até lá para reclamá-la, o que é impossível por causa da guerra. Segundo diz, conversou com o hospital e foi informado de que Kira será enviada para um orfanato na Rússia.

O governo russo diz que já ajudou a transportar pelo menos 60 mil ucranianos para uma zona de segurança através da fronteira russa. O governo ucraniano afirma que cerca de 40 mil foram realocados contra a sua vontade, descrevendo as deslocações como sequestros e deportações forçadas.

 

Kira Obedinsky em Mariupol, antes da guerra.

O Alto Comissariado para os Refugiados da ONU diz que mais de 433 mil refugiados ucranianos chegaram à Rússia desde 24 de fevereiro, quando as forças russas invadiram a Ucrânia. Segundo as autoridades ucranianas, milhares foram deportados à força para território russo depois de as tropas russas bloquearem a passagem segura para o território ucraniano, e transferiram os evacuados contra a sua vontade para partes distantes da Rússia.

Em declarações à CNN, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusou a Rússia de forçar as pessoas que fogem de Mariupol para a Rússia. “Vários milhares, dezenas de milhares, foram forçados a evacuar em direção à Federação da Rússia e não sabemos onde estão, não deixaram rastos de documentos”, afirmou o Presidente à CNN.

"E entre eles estão vários milhares de crianças, queremos saber o que aconteceu com elas. Se estão bem de saúde. Infelizmente, não há nenhuma informação sobre isso."

Moscovo acusou as alegações de deportações forçadas como sendo mentiras, alegando que a Ucrânia travou os seus esforços para “evacuar” pessoas para a Rússia. Mas a CNN conversou com vários ucranianos que disseram ter apenas duas opções: ir para a Rússia ou morrer. Em entrevistas com 10 pessoas, incluindo moradores de Mariupol e seus familiares, muitos descrevem ter visto soldados russos a descer a abrigos antiaéreos e ordenar aos que lá estavam a sair imediatamente.

Nenhum deles sabia para onde estava a ser levado. Cinco foram finalmente enviados para a Rússia; três já saíram.

Oleksander Obedinsky com a neta Kira, antes da invasão russa da Ucrânia. Receia nunca mais vê-la.

Autoridades ucranianas e norte-americanas, e observadores independentes de direitos humanos, também alegaram que tropas russas e separatistas estão a “processar” dezenas de milhares de civis ucranianos através dos chamados "campos de filtragem", onde são rastreados biometricamente e os seus telefones e documentos são confiscados, antes de serem enviados para a Rússia.

Oleksander afirma que os russos também levaram os documentos de Kira, e que ela receberia novos documentos na Rússia.

A comunicação social russa, que minimizou repetidamente a brutalidade do conflito na Ucrânia, mostrou um vídeo de Kira a falar alegremente sobre como às vezes pode ligar para o seu avô. Isso é “prova” de que ela não foi sequestrada, de acordo com um apresentador de TV russo, que apelidou a alegação de ser mais uma "falsidade ucraniana".

Enquanto isso, Oleksander recebeu uma mensagem de áudio de Kira dizendo para ele não chorar. Mas a jovem que perdeu sua família, a sua liberdade e o seu lar na guerra da Rússia, não consegue conter as suas próprias lágrimas.

"Há muito tempo que não te vejo", diz ela. "Eu quero chorar."

Nathan Hodge da CNN, Yulia Kesaieva, Eliza Mackintosh, Oleksandra Ochman, Gianluca Mezzofiore, Katie Polglase, Teele Rebane, Anastasia Graham-Yooll e Amy Cassidy contribuíram para este relatório.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados