Rio acusa PS de fazer algo "passível de processo-crime"

26 jan, 22:44
Rui Rio em arruada em Leiria (Lusa/Mário Cruz)

Depois de acusar António Costa de "campanha negra", Rui Rio volta a endereçar duras críticas ao Partido Socialista

A troca de acusações entre Rui Rio e António Costa subiu de tom esta quarta-feira, com o líder do PSD a acusar a campanha socialista de ter partilhado um "vídeo truncado" nas redes sociais, considerando-o como "baixo" e "próximo de ser passível de processo-crime".

Em causa está uma discussão entre António Costa e Rui Rio sobre o salário mínimo nacional (SMN). Durante a campanha eleitoral para as legislativas, o PS recuperou declarações de Rui Rio proferidas em 2020, quando o líder do PSD se manifestou contra a subida do SMN, em 2021. Rio recusou esta afirmação e, perante a negação, foi publicado pelo Partido Socialista um vídeo onde Rio fala sobre este assunto. 

A reação do candidato social-democrata foi partilhada no Twitter, rede social que habitualmente utiliza.

Rui Rio já tinha justificado a sua posição horas antes, referindo considerar desadequado o esforço financeiro para fazer subir muito o salário mínimo nacional, num contexto de pandemia. Também esta quarta-feira, o presidente do PSD repetiu que não é contra o aumento do salário mínimo nacional, defendendo ter uma “proposta séria” para uma “economia robusta”, ao contrário de “fazer demagogia”, como António Costa.

“Não deve haver nenhum português da extrema-direita à extrema-esquerda que ache que  o salário mínimo nacional é um salário  confortável e que as pessoas podem viver com aquele dinheiro. Todos nós percebemos que não. Agora, a diferença é entre fazer uma proposta séria, ter uma economia robusta, capaz de pagar salários cada vez mais altos. Outra é fazer demagogia como ele [António Costa] faz, a dizer que nós somos contra, porque eu, em ano de pandemia, entendi que não era o ano mais adequado para andar a subir de uma forma muito elevada o salário nacional”, declarou.

Também no Twitter, esta quarta-feira, Rui Rui acusou o PS de montar “uma campanha negra” para provocar “medo e confusão” ao eleitorado.

É compreensível que o PSD seja criticado à direita e à esquerda, mas no caso dos ataques do PS é vergonhosa a forma como monta uma campanha negra, deturpando as propostas do PSD, truncando as minhas afirmações e procurando incutir o medo e a confusão. O seu nível é muito baixo.

— Rui Rio (@RuiRioPSD) January 26, 2022

Mas esta não foi a única acusação: à saída de uma reunião com autarcas dos distritos de Leiria e Coimbra, Rio voltou ao tema e disse que vê com "mágoa" o facto de o PS continuar a "denegrir e deturpar" as medidas do programa eleitoral do PSD. Comparou a campanha do PS à da Frente Republicana e Socialista (FRS), em 1980, na qual utilizaram esta mesma estratégia de "difamação atrás de difamação”, na altura contra Francisco Sá Carneiro, e depois “levaram uma banhada". "Eu não sei se aqui vão perder por causa disso, mas eu acho que eles não conseguem enganar completamente o eleitorado".

Rio disse ainda que "tem tentado aligeirar" a campanha, para que não seja vista como "um caso de vida ou morte". "O pior que pode acontecer a um partido nestas eleições é perder e isso não é morrer", acrescentou.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados