"Não posso fazer o luto". Uma nuvem de colonialismo paira sobre o legado da Rainha Isabel em África

CNN , Stephanie Busari
17 set, 17:00
Rainha Isabel II e Príncipe Philip

Memória da Rainha em África não pode ser separada do passado colonial.

A morte da Rainha Isabel II provocou uma efusão de reflexões e reações online. Mas nem tudo foi luto - alguns jovens africanos partilham imagens e histórias dos seus próprios avós, que suportaram um período brutal da história colonial britânica durante o longo reinado da Rainha.

"Não posso fazer o luto", escreveu uma pessoa no Twitter, colocando uma imagem do que disse ser o “passe de movimentação” da sua avó - um documento colonial que impedia a livre viagem dos quenianos sob domínio britânico no país da África Oriental.

Outra pessoa escreveu que a sua avó “costumava narrar-nos como eles eram espancados e como os seus maridos lhes eram tirados e deixados para cuidar dos seus filhos", durante os tempos coloniais. "Que nunca os esqueçamos. Eles são os nossos heróis", acrescentou ela.

A sua recusa em participar num luto destaca a complexidade do legado da Rainha, que apesar da popularidade generalizada era também vista como um símbolo de opressão em partes do mundo onde o Império Britânico outrora se estendeu.

O Quénia, que tinha estado sob domínio britânico desde 1895, foi nomeado colónia oficial em 1920 e assim permaneceu até conquistar a independência em 1963. Entre as piores atrocidades sob domínio britânico estão as que ocorreram durante a revolta Mau Mau, que começou em 1952 - o ano em que a rainha Isabel subiu ao trono.

A administração colonial na altura levou a cabo atos extremos de tortura, incluindo castração e agressão sexual, em campos de detenção onde se encontravam detidos cerca de 150 mil quenianos. Os quenianos idosos que processaram por compensação em 2011 acabaram por receber 19,9 milhões de libras por decisão de um tribunal britânico, a serem repartidos entre mais de cinco mil requerentes.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido na altura, William Hague, afirmou: “O Governo britânico reconhece que os quenianos foram sujeitos a tortura e a outras formas de maus-tratos por parte da administração colonial. O governo britânico lamenta sinceramente que estes abusos tenham ocorrido, e que tenham prejudicado o progresso do Quénia rumo à independência”.

A memória africana da Rainha não pode ser separada desse passado colonial, diz à CNN o professor de comunicação Farooq Kperogi da Kennesaw State University.

"O legado da Rainha começou no colonialismo e ainda está envolto nele. Costumava dizer-se que o sol não se punha sobre o império britânico. Nenhuma quantidade de compaixão ou simpatia que a sua morte tenha gerado pode apagar isso", afirma à CNN.

Rainha Isabel II a caminho do Kumasi Durbah ao lado de Kwame Nkrumah, Presidente do Gana, durante a sua viagem ao Gana, em novembro de 1961. Keystone/Hulton Archive/Getty Images

“Período trágico”

Embora muitos líderes africanos tenham feito luto pela sua morte - incluindo o Presidente Muhammadu Buhari, da Nigéria, que descreveu o seu reinado como “único e maravilhoso” - outras vozes proeminentes na política regional não o fizeram.

Na África do Sul, um partido da oposição, os Economic Freedom Fighters (EFF), foi inequívoco: "Não fazemos luto por Isabel, porque para nós a sua morte é uma recordação de um período muito trágico neste país e da história de África", disse o EFF numa declaração.

"A nossa interação com a Grã-Bretanha tem sido de dor... morte e despossessão, e da desumanização do povo africano", acrescentou.

A Rainha Isabel II e o Príncipe Philip acenam a uma multidão de crianças em idade escolar numa visita realizada num hipódromo em Ibadan, Nigéria, a 15 de fevereiro de 1956. Fox Photos/Hulton Archive/Getty Images

Outros recordaram o papel da Grã-Bretanha na guerra civil nigeriana, onde as armas eram secretamente fornecidas ao governo para serem utilizadas contra os biafranos que queriam formar uma república separatista. Entre um e três milhões de pessoas morreram nessa guerra. O músico britânico John Lennon devolveu à Rainha o seu MBE, um título honorário, em protesto contra o papel da Grã-Bretanha na guerra.

Ainda assim, muitos no continente recordam a Rainha como uma força estabilizadora que provocou mudanças positivas durante o seu reinado.

Ayodele Modupe Obayelu, da Nigéria, diz à CNN: “O seu reinado viu o fim do Império Britânico e os países africanos... tornaram-se uma República. Ela não merece realmente qualquer prémio ou ovação de pé por isso, mas foi um passo na direção certa”.

O editor de revistas nigeriano Dele Momodu encontrou-se com a Rainha Isabel numa visita de estado a Abuja, na Nigéria, em 2003. Foto de Dele Momodu

O editor da revista Ovation, Dele Momodu, encheu-se de elogios ao recontar o seu encontro em 2003 em Abuja, enquanto cobria a visita da Rainha à Nigéria. E acrescentou que tinha fugido da Nigéria para o Reino Unido em 1995, durante o regime do ditador Sani Abacha.

“Disse-lhe que era um refugiado e agora editor de uma revista. Ela disse-me 'parabéns' e avançou para as outras pessoas na fila. Saúdo-a. Ela trabalhou até ao fim e nunca se cansou de trabalhar para o seu país. Ela deu o seu melhor pelo seu país e isso é uma lição de liderança", disse à CNN.

Momodu acredita que a Rainha tentou "expiar" a brutalidade do Império Britânico. "Ela veio para a Nigéria durante a nossa independência e alguns dos artefactos foram devolvidos sob o seu reinado. É por isso que a Commonwealth continua a prosperar. Sinto-me muito triste por o mundo ter perdido um grande ser humano".

Adekunbi Rowland, também da Nigéria, disse: "A morte da Rainha representa o fim de uma era. Como mulher, fico intrigada com a sua história. Esta jovem mulher teve uma adesão sem precedentes ao trono, e com muita graça e dignidade fez tudo o que estava ao seu alcance para proteger o país e a Commonwealth que amava, custasse o que custasse".

Rainha da Commonwealth

A Rainha declarou uma vez: "Penso ter visto mais de África do que quase toda a gente".

Ela fez a sua primeira visita oficial ao estrangeiro à África do Sul, em 1947, como princesa, e continuaria a visitar mais de 120 países durante o seu reinado, muitos deles no continente.

Isabel, então princesa, e o Príncipe Philip saem do seu avião em Nairobi, no Quénia, na primeira etapa da sua viagem à Commonwealth em 1952. PA Images/Getty Images

Foi quando visitou o Quénia em 1952 que soube que se tinha tornado rainha. O seu pai, George, morreu quando ela lá estava com o Príncipe Philip - e ela ascendeu imediatamente ao trono.

À medida que o colonialismo mais tarde se desmoronou e deu lugar à independência e autodeterminação nos territórios ultramarinos britânicos, as antigas colónias tornaram-se parte do grupo de nações da Commonwealth, com a Rainha à cabeça, e ela trabalhou incansavelmente para manter o grupo unido ao longo dos anos.

A Rainha forjou fortes laços com líderes africanos, incluindo Nelson Mandela, que visitou duas vezes na África do Sul, e com Kwame Nkrumah, com quem ficou famosa pela sua dança durante a sua visita ao Gana em 1961.

A Rainha Isabel II dança com o Presidente Kwame Nkrumah do Gana, durante a sua visita a Accra, no Gana, em 1961. Grupo/Grupo Universal de Imagens/Getty Images

No entanto, existe agora um clamor crescente pela independência e pela responsabilização sobre os crimes passados da Grã-Bretanha, tais como a escravatura. Em novembro de 2021, Barbados removeu a Rainha como chefe de Estado, 55 anos após ter declarado a independência da Grã-Bretanha, e outros países das Caraíbas, como a Jamaica, indicaram que pretendem fazer o mesmo.

O Príncipe William e a sua esposa, Catherine, Duquesa de Cambridge, visitaram a Jamaica em março, mas enfrentaram protestos e pedidos de reparação durante a viagem. Houve também pedidos de desculpas formais pelas ligações da família real à escravatura.

“Durante os seus 70 anos no trono, a sua avó nada fez para reparar e expiar o sofrimento dos nossos antepassados, que teve lugar durante o seu reinado e/ou durante todo o período de tráfico britânico de africanos, escravatura, trabalho forçado e colonização”, escreveram membros de um grupo de protesto, a Advocates Network Jamaica.

Em junho, o ainda Príncipe Carlos tornou-se o primeiro real britânico a visitar o Ruanda, onde representou a Rainha na Reunião dos Chefes de Governo da Commonwealth.

Após a morte da sua mãe, é ele quem agora dirige a Commonwealth, e iniciará uma nova relação com os seus membros, cerca de um terço dos quais se encontra em África.

Questiona-se se ele será tão eficaz na construção da organização como a sua mãe e, acima de tudo, quão relevante ela ainda é - dadas as suas raízes no Império.

 

Foto no topo: Rainha Isabel II inspeciona militares no recém-redenominado Regimento da Rainha da Nigéria, da Royal West African Frontier Force, no Aeroporto de Kaduna, na Nigéria, durante a sua digressão pela Commonwealth, a 2 fe Fevereiro de 1956. Fox Photos/Hulton Archive/Getty Images

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados