Montenegro desafia Costa a “erguer a sua voz” na UE contra aumento de impostos para empresas

Agência Lusa
12 set, 20:16
Luís Montenegro (LUSA)

“Nós, no PSD, não somos favoráveis à criação de mais nenhum imposto sobre as empresas, mesmo aquelas que têm, nesta fase, lucros de uma dimensão maior do que é habitual”, reiterou

O líder do PSD, Luís Montenegro, desafiou esta segunda-feira o primeiro-ministro, António Costa, a “erguer a sua voz” na União Europeia contra a tributação de lucros extraordinários das empresas no contexto de inflação elevada.

“Acho que esta é uma boa oportunidade para o senhor primeiro-ministro poder, junto da União Europeia, defender a sua posição, porque tanto quanto sei a posição dele é igual à minha”, ou seja, não concordar com a criação desse imposto, afirmou aos jornalistas, em Mortágua.

Luís Montenegro comentava as declarações do líder parlamentar do PS, que não excluiu o aprofundamento de medidas fiscais de combate a lucros extraordinários, mas considerou essencial que essa solução seja concertada na União Europeia para não deixar Portugal em “desvantagem”.

O presidente do PSD lembrou que “foi noticiado a semana passada que ele (António Costa) não concordava com a criação desse imposto sobre os chamados lucros extraordinários e não foi desmentido”.

“Portanto, se o primeiro-ministro entende que é essa a posição que o país deve adotar, creio que na União Europeia deve erguer a sua voz, tanto que ele reclamou tantas vezes que era preciso ser uma voz forte na Europa”, frisou.

Montenegro lembrou que já anunciou a posição do PSD há mais de um mês, mas considerou que “no PS a questão é mais controversa”.

“Nós, no PSD, não somos favoráveis à criação de mais nenhum imposto sobre as empresas, mesmo aquelas que têm, nesta fase, lucros de uma dimensão maior do que é habitual”, reiterou.

Isto porque – acrescentou - “esses lucros já têm tributação” e a tributação sobre a atividade das empresas “é suficientemente grande para ser, às vezes, pouco competitiva na atração de investimento”.

“Esta é a nossa posição de princípio, evidentemente, se houver uma decisão à escala europeia, creio que foi o cenário colocado pelo líder parlamentar do PS, nós teremos de enquadrar a questão nesse domínio”, referiu.

No entender de Luís Montenegro e do PSD, “cada país deve olhar para essa realidade atendendo à sua própria situação”.

“Quando nós definimos políticas fiscais ao nível da União Europeia devemos defini-las de uma forma transversal e não só quando interessa a determinados países”, defendeu.

O líder social-democrata disse que “há algumas economias fortes na Europa às quais interessa, e aos seus responsáveis, independentemente da sua natureza política, defender essa matéria”, o que respeita.

No entanto, não acha que “Portugal tenha que ir sempre a reboque dos grandes interesses da Europa”, acrescentou.

Montenegro recordou os tempos “em que o PS reclamava que era preciso ter uma voz forte na Europa”, ou seja, que não devia “aceitar sem reação todas as diretrizes que emanavam das instituições europeias”.

Relacionados

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados