Mecanismo ibérico já aproveita lucros extraordinários das empresas, defende Governo

Agência Lusa , FMC
6 set, 18:28
O ministro do Ambiente e Ação Climática, Duarte Cordeiro, participa na audição da Comissão de Ambiente e Energia sobre medidas para mitigar o preço da eletricidade no mercado Ibérico (Mário Cruz/ LUSA)

Duarte Cordeiro explicou que, segundo dados até ao dia 4 de setembro, o preço da eletricidade na Península Ibérica seria 16% mais alto se não existisse este mecanismo

O ministro do Ambiente e Ação Climática, Duarte Cordeiro, defendeu esta terça-feira que o Governo já está a financiar medidas como o mecanismo ibérico através da aplicação dos lucros extraordinários das empresas desta área.

A posição de Duarte Cordeiro foi transmitida esta terça-feira durante uma conferência de imprensa conjunta com os ministros das Infraestruturas, Trabalho e Finanças para detalhar o pacote de medidas para apoio aos rendimentos das famílias para atenuar os efeitos da inflação, no Ministério das Finanças, em Lisboa.

Quando questionado sobre o debate em torno das taxas dos lucros extraordinários de empresas, o governante considerou que não se pode analisar o tema como algo externo ao que o executivo já está a desenvolver.

“Já estamos a aproveitar estes ganhos extraordinários destas empresas na aplicação do financiamento das medidas que estamos a adotar”, disse.

Duarte Cordeiro apontou como exemplo o mecanismo ibérico de ajuste temporário dos custos de produção de energia elétrica no âmbito do Mercado Ibérico de Eletricidade.

“Não é pago pelo Orçamento, não é pago pelas tarifas, é pago como? É pago pelos ganhos excessivos dessas empresas. O mesmo relativamente à tarifa regulada do gás. Não vamos pagar em termos de Orçamento para a limitação do preço, estamos a pagar com contratos específicos”, disse.

O governante indicou ainda que, segundo dados até ao dia 4 de setembro, o preço da eletricidade na Península Ibérica seria 16% mais alto se não existisse mecanismo ibérico, significando um benefício acumulado, até dia 7 de julho, de 55 milhões de euros.

Relacionados

Governo

Mais Governo

Patrocinados