Preço dos alimentos é 30% superior ao registado em 2021

Agência Lusa
6 mai, 19:21
Supermercado (Getty Images)

Em abril, o índice de preços dos alimentos da FAO registou uma descida de 0,8% em comparação com o mês anterior, mas o valor permanece muito acima do que foi registado em igual período do ano anterior

O preço dos alimentos recuou 0,8% em abril, acompanhando a descida nos óleos vegetais e no milho, mas é 30% acima do verificado em 2021, segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO).

Em abril, o índice de preços dos alimentos da FAO fixou-se assim em 158,4 pontos, uma descida de 0,8% em comparação com o mês anterior. Contudo, o valor permanece aproximadamente 30% superior ao registado em igual período do ano anterior.

“Este pequeno declínio no índice é um alívio bem-vindo, sobretudo, para os países com baixos rendimentos e défice alimentar”, considerou o economista-chefe da FAO, Máximo Torero Cullen, citado pela agência EFE.

A evolução é justificada pela diminuição do valor dos óleos vegetais (5,7%).

Por sua vez, a queda de 3% no preço do milho contribuiu para a redução do preço dos cereais, limitado pelo bloqueio do trigo nos portos da Ucrânia, face à guerra.

Ainda assim, o preço do arroz voltou a crescer perante o aumento da procura pela China, enquanto o do açúcar disparou 3,2% devido à baixa produção no Brasil, que é o maior exportador mundial deste bem.

Neste mês, o preço da carne voltou a bater um novo recorde, com um aumento de 2,2% devido à subida do número de focos de gripe das aves e à interrupção das exportações da Ucrânia.

Já o valor dos lacticínios e da manteiga também avançou perante a diminuição da oferta.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Economia

Mais Economia

Patrocinados