Morreu Paulo Gil

Agência Lusa , CV
12 mai, 16:55
Pulo Gil (Youtube)

Tinha 84 anos. Trata-se de uma "figura incontornável do jazz nacional"

O músico e divulgador Paulo Gil, “figura incontornável do jazz nacional”, morreu quarta-feira aos 84 anos, em Lisboa, confirmou hoje à Lusa fonte próxima da família. O funeral de Paulo Gil está marcado para esta sexta-feira no cemitério do Alto de São João, em Lisboa.

Paulo Gil, que nasceu em Lisboa em novembro de 1937, começou a interessar-se por jazz aos 6 anos, recordou a Câmara Municipal do Seixal, que organiza o Seixal Jazz, festival do qual foi diretor artístico desde a sua criação, em 1996, e durante 17 edições.

No ano passado, no 25.º aniversário do festival, foi homenageado pela Câmara “por ajudar a criar e a fazer do SeixalJazz uma referência a nível nacional e internacional”.

A autarquia, em comunicado, recordou que Paulo Gil, “figura incontornável do jazz nacional”, estudou música com, entre outros, Fernando Lopes-Graça e Jorge Costa Pinto e frequentou a Academia de Amadores de Música.

Paulo Gil foi baterista de jazz, tendo constituído, com o pianista Marco Resende e o contrabaixista Bernardo Moreira, o Bossa Jazz Trio.

No final da década de 1960 “criou música original para filmes e para apoio a sessões de poesia de Manuela Machado e Mário Viegas e leitura de textos de Alexandre O’Neill”.

Em 1978 passou a organizar e produzir concertos de jazz e festivais.

Paralelamente, nas décadas de 1970 e 80, foi responsável pela edição de jazz e música clássica na editora Valentim de Carvalho.

Além disso, Paulo Gil dedicou-se também à crítica de música, tendo escrito para, entre outros, a revista Flama e o jornal O Século, e concebido o programa de televisão “O Som da Surpresa”, exibido na RTP na década de 1980.

Paulo Gil era o sócio número 3 do Hot Clube de Portugal. Numa publicação divulgada hoje na página oficial do clube na rede social Facebook, a sua presidente, Inês Homem Cunha, recordou “o lugar do Paulo Gil” na sala da Praça da Alegria.

"Todos os dias entrava antes da hora. Batia à porta ruidosamente e ia direto ao seu lugar. Dava um jeitinho à mesa e sentava-se estrategicamente, na última ponta do sofá, num ângulo preparado com cuidado. Daí falava com os músicos, cantava, esgrimia baquetas imaginárias, dava indicações a quem estava a tratar do som. Era quase como estar no palco. Em pouco dias alguém vai entrar, um turista, um distraído, e vai sentar-se naquele lugar. Mas de hoje em diante há um espaço que vai ficar vazio", partilhou Inês Homem Cunha.

O Hot Clube salientou que Paulo Gil “foi fundamental na transição entre o antes e o pós-25 de Abril com a entrada de uma nova geração para o Clube”.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

País

Mais País

Patrocinados