“O mal não dorme, espera”: prequela de "O Senhor dos Anéis" dá espetáculo mas falta-lhe poder dramático

CNN , Brian Lowry
1 set, 17:30
O Senhor dos Aneis

CRÍTICA. Repórter sénior da CNN já viu o início da nova série “Os Anéis do Poder”, prequela dos filmes "O Senhor dos Anéis". É um mundo de outra época, numa grande produção, mas que não convence à primeira – ou pelo menos nos primeiros episódios.

A Amazon investiu centenas de milhões a montar uma versão em série de "O Senhor dos Anéis". Conseguiu fazer valer o seu dinheiro em valores de produção, mas não em histórias, com uma bela prequela que poderá deixar todos, excepto os Hobbits mais devotados, mais aborrecidos do que deslumbrados. A nova série "Os Anéis do Poder" deverá ser fonte de considerável curiosidade, mas no meio de um grande orçamento, isto parece pouco digno de dominar todos.

De facto, algumas das falhas de "Os Anéis do Poder" ecoam as da luxuosa nova série “House of the Dragon”, prequela da "Guerra dos Tronos", da HBO, que em comparação é mais brilhante. Com base nos episódios iniciais, o fosso entre aquilo que as audiências ficaram a conhecer sobre as personagens na trilogia de Peter Jackson e os seus congéneres ancestrais sente-se ainda mais profundo.

O formato da série - os episódios são disponibilizados semanalmente após a estreia em duas partes - também tende a convidar alguns maus hábitos, mesmo face aos filmes notoriamente longos de Jackson, com interlúdios penosos e um segundo episódio que se desdobra em múltiplas frentes sem se sentir que esteja a acontecer muita coisa.

Os entusiastas do mundo ornamentado de J.R.R. Tolkien serão, sem dúvida, tentados a deleitarem-se com este conto que decorre ao longo de séculos, e que retoma com um prolongado prólogo sobre uma vasta e dispendiosa batalha com as forças de Sauron, e o seu subsequente desaparecimento. Enquanto existe alguma esperança de paz duradoura, a guerreira Elvish Galadriel (Morfydd Clark), vingativa, permanece vigilante, convencida de que, como diz, "o mal não dorme. Espera".

Tal como "House of Dragon", "O Anel do Poder" tem procurado apresentar de forma mais proeminente mulheres e pessoas de várias raças, ao mesmo tempo que capitaliza as qualidades lendárias dos Elfos, entre outras coisas, para criar ligações, apesar do intervalo de tempo entre esta série e os filmes.

Globalmente, os Elfos ocupam um papel reforçado, incluindo o soldado Arondir (Ismael Cruz Córdova), que também se torna mais proeminente à medida que as batalhas se desenham. Mesmo assim, a latitude proporcionada por uma abordagem em episódios e os planos para fazer múltiplas temporadas, não se traduz inicialmente em personagens mais convincentes, e depois de agarrar o público à história, o caminho em direção ao miolo da história esmigalha-se lentamente.

Gradualmente, a série "Os Anéis do Poder" introduz um sortido de personagens representando os mundos dos Homens, Elfos, Gnomos sempre coloridos e um subconjunto dos Hobbit conhecido como Harfoots (uma distinção que, esperemos, não estará no final). Por vezes, à medida que a série flui entre eles, começa a parecer como "O Senhor dos Mapas", salpicando imagens dos vários reinos através do ecrã enquanto se navega de um local para o outro.

Estes locais refletem na sua maior parte o âmbito da produção, enquanto as bestas míticas apresentadas se revelam na realidade um pouco mais irregulares.

Até agora, o saque formidável da Amazónia - um investimento suficiente para se tornar uma parte inextricável da cobertura - tem sido posto ao serviço de uma narrativa relativamente pouco inspirada e deficiente em termos de urgência narrativa. As expectativas criadas pelo título tornam-se assim algo como uma espada de dois gumes, particularmente quando tanto se tem feito um esforço gigantesco na promoção da série.

Quanto à batalha épica que aguarda, "Os Anéis do Poder" pode ainda estar à altura da ocasião. No entanto, apesar destas belas e arrebatadoras vistas da Terra Média à medida que a música cresce e a câmara os atravessa, após a introdução inicial é difícil resistir à tentação de dizer: "Acorda-me quando lá chegares".

"O Senhor dos Anéis: The Ring of Power" estreia no dia 2 de setembro na Amazon Prime Video.

Séries

Mais Séries

Patrocinados