Bebé nu de “Nevermind” perde processo de pornografia infantil contra os Nirvana

CNN , Jack Guy
5 set, 18:36
"Nevermind", Nirvana

Advogados de Spencer Elden, agora com 31 anos, defenderam que a imagem era pornográfica e que ele tinha sofrido "danos para toda a vida" pelo seu envolvimento.

Um tribunal federal na Califórnia arquivou um processo que alegava que a capa do álbum "Nevermind", de 1991, da banda de rock Nirvana, constituía pornografia infantil.

Spencer Elden, agora com 31 anos, e que apareceu nu na capa do álbum de música quando bebé, tinha processado a banda por alegada "exploração sexual infantil comercial".

Contudo, o seu processo foi arquivado na sexta-feira quando um juiz decidiu que Elden tinha apresentado a sua queixa depois do prazo de prescrição, de 10 anos, ter expirado.

"Consequentemente, a acção do queixoso será indeferida sem licença para emenda", disse Fernando M. Olguin, juiz distrital dos Estados Unidos para o Distrito Central da Califórnia, numa decisão obtida pela CNN.

O advogado de Elden disse à CNN que tenciona recorrer da decisão de indeferimento.

Os membros do Nirvana, Kurt Cobain (esquerda), e Krist Novoselic (centro) e Dave Grohl (direita)

A capa de "Nevermind", na qual apareceu o bebé Elden nadando debaixo de água, com os seus olhos fixos numa nota de dólar, tornou-se uma das imagens mais duradouras da música rock.

Na queixa original, apresentada a 24 de agosto de 2021, os advogados de Elden disseram que a imagem era pornográfica e que ele tinha sofrido "danos para toda a vida" em resultado do seu envolvimento.

Elden listou os membros sobreviventes da banda, o executor dos bens do vocalista Kurt Cobain, e várias editoras como réus.

Após o indeferimento da queixa, uma segunda queixa procurou obter indemnizações pelo que Elden chamou de "perda de capacidade de ganho de rendimentos vitalícia, perda de salários passados e futuros, despesas passadas e futuras de tratamento médico e psicológico, perda de gozo da vida, e outras perdas a serem descritas e provadas no julgamento ".

O processo alegava que Elden foi sexualizado, porque a imagem do bebé nu a agarrar a nota de dólar fez com que o bebé se parecesse com "um trabalhador do sexo".

Elden recriou a imagem por vezes durante a sua vida adulta, mas também sugeriu em entrevistas que se sentia desconfortável com a popularidade da capa do álbum.

Em 2007, ele disse ao Sunday Times, do Reino Unido, que achava "um pouco assustador que muitas pessoas me tenham visto nu... Sinto-me como a maior estrela pornográfica do mundo". No ano seguinte, disse à CNN que era frequentemente convidado a participar em eventos como "o bebé Nirvana".

"Nevermind", e o seu single principal "Smells Like Teen Spirit", vendeu milhões de cópias e ajudou a popularizar a música grunge nos Estados Unidos. Tanto o seu conteúdo como o seu trabalho artístico foram anunciados como obras de rock seminais, mas três anos após o seu lançamento, o vocalista dos Nirvana, Kurt Cobain, morreu por suicídio em Seattle, tendo a banda sido posteriormente dissolvida.

Elden disse à CNN em 2008: "Dizia-se que Cobain tinha o conceito original de querer mostrar uma mãe a dar à luz debaixo de água". Elden acrescentou: "Mas o compromisso era ter um bebé a nadar debaixo de água. Ou foi isso que me disseram".

Segundo o alegado por Elden, ele "sofre e continuará a sofrer danos pessoais devido à posse, transporte, reprodução, publicidade, promoção, apresentação, distribuição, fornecimento e obtenção de pornografia infantil que o retratam".

A mulher de Cobain, a cantora Courtney Love, foi listada no processo como executora da propriedade de Cobain, juntamente com outros, incluindo o fotógrafo Kirk Weddle e as editoras Universal Music Group, MCA Records e Geffen Records. A CNN contactou estas partes para comentários.

 

 

Música

Mais Música

Patrocinados