Como assim? Ouvir música triste pode ajudar-nos a sentir menos 10% de dor

CNN , Jocelyn Solis-Moreira
25 nov 2023, 13:00
Ouvir música

Mais uma descoberta científica. Ainda assim, não há nada de errado em escolher uma música mais animada, se for essa a sua preferência

Alguns tipos de música podem ajudá-lo a sentir menos dor, segundo um novo estudo

por Jocelyn Solis-Moreira, CNN

Inspire-se com um resumo semanal sobre como viver bem de forma simples. Subscreva a newsletter da CNN Life, But Better para obter informações e ferramentas concebidas para melhorar o seu bem-estar

 

Quando Adele estreou o seu single de 2011 "Someone Like You", a sua balada agridoce ressoou em milhões de pessoas em todo o mundo. Mais de uma década depois, continua a ser uma das suas músicas mais populares. A sua arte, bem como a de muitos outros que dominaram a arte de puxar pelos nossos corações com batidas lentas e emocionais, contém uma forma de gerir a dor emocional do desgosto e da perda.

Não há dúvida de que a música pode acalmar a alma de algumas pessoas e acontece que também pode ser um calmante temporário para a dor física.

De acordo com um novo estudo publicado na revista Frontiers in Pain Research, ouvir as canções preferidas pode reduzir a perceção da dor. E os analgésicos mais eficazes foram as canções tristes que descrevem experiências emocionais e agridoces.

"Não substitui o Tylenol quando se tem uma dor de cabeça, mas a música pode ajudar a aliviar a tensão", afirma Patrick Stroman, professor de ciências biomédicas e moleculares na Queen's University em Kingston, Ontário. Não participou no último estudo mas conduziu a sua própria investigação sobre a relação entre a dor e a música. Ao contrário de outros medicamentos, diz que não há qualquer efeito secundário ou risco em ouvir música (basta manter o volume a um nível razoável).

O pequeno estudo convidou 63 jovens adultos a trazerem duas das suas canções favoritas e o único requisito era que tivessem pelo menos três minutos e 20 segundos de duração. Uma seleção representava a sua música favorita de todos os tempos e a outra era a música que levariam consigo para uma ilha deserta. Os investigadores também pediram aos jovens adultos que escolhessem uma de sete canções que a equipa considerava relaxantes e que não eram familiares aos participantes no estudo (as sete canções que podiam escolher eram: "Cotton Blues", "Jamaicare", "Légende Celtique", "Musique de Film", "Nuit Cubaine", "Reggae Calédonien" e "Sega Mizik Kèr").

O impacto das canções melancólicas

Cada pessoa foi submetida a blocos de sete minutos em que era instruída a olhar para o ecrã do monitor enquanto ouvia a sua música preferida, uma das sete canções instrumentais relaxantes (cada uma com a duração de seis minutos e 40 segundos) ou uma versão baralhada de ambas as canções e da canção relaxante escolhida. A música misturada era uma mistura ruidosa das três canções, cortada em fragmentos e baralhada aleatoriamente, de modo a perder a sua estrutura original. Num bloco de 7 minutos, as pessoas sentavam-se em silêncio. Durante todo o tempo, os investigadores colocaram um objeto quente - semelhante à dor de uma chávena de chá a ferver na pele - no antebraço interno esquerdo dos participantes.

Ao avaliarem as suas experiências, as pessoas tinham mais probabilidades de referir que sentiam menos dor quando ouviam as suas canções favoritas do que quando ouviam a canção relaxante desconhecida ou o silêncio. As canções misturadas também não reduziram a dor, o que os autores sugeriram ser uma prova de que a música é mais do que uma distração de uma experiência desagradável.

Com milhões de canções disponíveis, é provável que a canção favorita de uma pessoa não seja a mesma que a de outra. Depois de entrevistar os participantes sobre a canção que trouxeram e a sua classificação da dor, os investigadores descobriram que as pessoas que ouviam canções agridoces e comoventes sentiam menos dor do que quando ouviam canções com temas calmantes ou alegres.

"É um resultado muito interessante", afirma o autor principal do estudo, Darius Valevicius, um estudante de doutoramento em neurociências na Universidade de Montreal. "Penso que é algo que eu próprio e provavelmente muitas pessoas percebemos intuitivamente porque é que ouvimos música agridoce, melancólica ou mesmo espiritual."

A música indutora de frisson pode modular a dor

As pessoas que ouviam canções agridoces também referiram mais arrepios - a emoção e os arrepios que se sentem na pele ao ouvir música agradável. Esta sensação foi associada a classificações mais baixas de desagrado provocado pela dor ardente que sentiram na experiência. Embora não tenha sido objeto de um estudo aprofundado, Valevicius pensa que os arrepios musicais podem estar a causar estes efeitos de bloqueio da dor.

Apesar de não ter investigado arrepios neste estudo, Valevicius colocou a hipótese de estas sensações poderem ser sinais de bloqueio sensorial. Para evitar sobrecarregar o cérebro com todos os estímulos que rodeiam uma pessoa, o cérebro filtra todos os que considera redundantes ou irrelevantes. Neste caso, o cérebro pode estar a sintonizar-se com a música e a filtrar algumas mensagens de dor. Embora o nosso corpo continue a sentir a dor, as mensagens que levam a nossa mente consciente a aperceber-se da dor podem não ser transmitidas.

É provável que o seu cérebro com música esteja a utilizar o sistema interno do corpo para regular a dor, diz Stroman. A capacidade do corpo para envolver emoções e sentimentos ajuda a avaliar a importância da dor nesse momento. Stroman e a sua equipa de investigação utilizaram recentemente imagens do cérebro para captar o que se passa no sistema nervoso central quando as pessoas são expostas à dor enquanto ouvem música. Os investigadores observaram que a música altera a conetividade cerebral em várias regiões do cérebro envolvidas na dor, na memória e no processamento de estados emocionais subjectivos.

"Quando as pessoas estão a ouvir música de que gostam, e de acordo com as nossas medições, isso pode reduzir a dor que estamos a sentir em 10%", afirma. Stroman advertiu, no entanto, que este comportamento não é analgésico suficiente para evitar medicação ou serviços médicos.

Ainda assim, não há nada de errado em escolher uma música mais animada, se for essa a sua preferência. A música proporciona muitos outros benefícios para a saúde, incluindo a redução do stress e uma boa noite de sono. Valevicius diz que abraçou este bálsamo: "Definitivamente, tenho-me deixado levar um pouco mais a ouvir música".

Música

Mais Música

Patrocinados