ONU alerta para a necessidade de ajuda a 8,1 milhões de pessoas na Etiópia

Agência Lusa , BCE
24 nov, 13:50
Etiópia
Etiópia

De acordo com a organização, Tigray não recebeu qualquer ajuda humanitária desde 18 de outubro devido ao conflito entre o governo central e os rebeldes da região

PUB

O Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA) alertou esta quarta-feira que cerca de 8,1 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária no norte da Etiópia devido à guerra entre o governo central e os rebeldes em Tigray.

Num relatório com dados até ao dia 18, a OCHA afirma que a situação no norte do país "permanece volátil e altamente imprevisível" devido ao conflito, que se propagou de Tigray para as regiões vizinhas de Amhara e Afar.

PUB

Além disso, sublinha que as operações humanitárias estão "severamente limitadas devido à insegurança, impedimentos burocráticos e outros fatores que dificultam a prestação de assistência humanitária urgente".

De acordo com o relatório, nenhuma ajuda humanitária organizada pela ONU chegou a Tigray, desde 18 de outubro.

"Atualmente, mais de 300 camiões estão posicionados em Semera (capital de Afar), à espera de autorização das autoridades", afirmou.

Em Amhara e Afar, "dezenas de milhares de pessoas" tornaram-se deslocados devido aos combates, segundo a OCHA.

PUB
PUB
PUB

Relatório denuncia "desnutrição aguda grave" de crianças em Tigray

Além disso, a situação alimentar em Tigray "continua precária, com o número elevado de crianças com desnutrição aguda grave e o nível de subnutrição aguda entre mães grávidas e lactantes acima dos 60%, nos últimos meses".

Sobre o conflito, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) salientou, num comunicado emitido hoje, que "as necessidades humanitárias urgentes continuam a crescer" em Amhara e Afar.

"É uma corrida contra o tempo para responder a algumas das necessidades humanitárias mais urgentes", avisou o chefe da delegação do CICV em Adis Abeba, Nicolas Von Arx.

A guerra eclodiu em 04 de novembro de 2020, quando o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, ordenou uma ofensiva contra a Frente de Libertação do Povo Tigray (FLPT), no poder na região, alegadamente como retaliação a um ataque a uma base militar federal e na sequência de uma escalada de tensões políticas.

Até agora, de acordo com a ONU, milhares de pessoas foram mortas e cerca de dois milhões são deslocados internos em Tigray.

PUB
PUB
PUB

O FLPT, que antes de Abiy chegar ao poder na Etiópia, em 2018, dominou o governo etíope, formou também uma aliança com outros grupos insurgentes, tais como o Exército de Libertação Oromo (OLA), ativo na região de Oromia, perto da capital do país, Adis Abeba.

Os receios de que os rebeldes pudessem assumir a capital do segundo país mais populoso de África (mais de 110 milhões de pessoas) suscitaram esforços diplomáticos por parte da comunidade internacional, no sentido de levar a uma cessação das hostilidades e a um acordo negociado.

Contudo, estes esforços têm-se revelado, até agora, infrutíferos.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.

África

Mais África