Há centenas de freguesias que nem a pagar rendas conseguem ter multibanco

7 nov, 07:25
multibanco, dinheiro, cartões, economia. Foto: Fernando Gutierrez-Juarez/picture alliance via Getty Images

REVISTA DE IMPRENSA Autarcas dão mensalidade a quem instalar ATM, mas mesmo assim o Interior e aldeias mais envelhecidas continuam sem equipamentos

Há centenas de vilas e de aldeias sem máquinas multibanco e nem com os autarcas a oferecerem-se para pagar rendas mensais de várias centenas de euros conseguem o serviço para as populações, geralmente mais isoladas no Interior ou idosas, avança o Jornal de Notícias esta segunda-feira. 

Segundo a publicação, a denúncia é da Associação Nacional de Freguesias (Anafre), que exige que sejam garantidos serviços bancários em todo o território.

"Há freguesias a pagar mensalidades de 200 e de 250 euros para terem lá multibanco", denunciou Jorge Veloso, presidente da Anafre, ao JN, que dá o exemplo do caso de S. Vicente da Beira, em que serão pagos 430 euros para garantir o ATM. Aliás, a associação aprovou uma moção, no último congresso, que reivindica a instalação de terminais em todas as freguesias por parte da Caixa Geral de Depósitos (CGD), cumprindo com "a sua função como banco público".

Os municípios do Interior e os mais desertificados são os que ocupam o top dos concelhos com menor número de equipamentos, entre eles Freixo de Espada à Cinta, Castanheira de Pêra, Sardoal, Manteigas e Barrancos.

O JN relata ainda casos em que são necessárias carrinhas para levar os residentes à máquina mais próxima.

País

Mais País

Patrocinados